Exploração de madeira ameaça floresta de Cabinda

Exploração de madeira em Cabinda
Exploração de madeira em Cabinda Direitos de autor Euronews
De  João Peseiro MonteiroJosé Kundy
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A madeira é a segunda riqueza do enclave angolano de Cabinda. A exploração é essencial para a comunidade mas as autoridades locais alerta para a ausência de replantação. Maior empresa do setor afirma já ter criado viveiros.

PUBLICIDADE

A floresta do Maiombe está em risco. Esta área rica em biodiversidade, com uma área de 36 mil quilómetros quadrados, estende-se por quatro países do sudoeste africano e faz parte da selva do Congo, a segunda maior do mundo depois da Amazónia.

A madeira é a segunda maior riqueza de Cabinda, depois do petróleo. As autoridades locais temem a sobre-exploração deste recurso natural.

Não há repovoamento daqui da floresta. Amanhã ficaremos sem madeira como estão os outros países
José Puaty
Agente do Parque Nacional do Maiombe

O agente José Puaty, do Parque Natural do Maiombe, explica que “não há repovoamento da floresta”, que “as empresas madeireiras só tiram e já não remetem.” E lança o alerta: “depois, ficaremos sem madeira como estão os outros países.”

Mas nem tudo é mau. José Puaty sublinha que a exploração ilegal na área diminuiu desde que a fiscalização chegou à região.

A maior empresa madeireira a operar no enclave angolano, a Abílio de Amorim, afirma estar consciente do problema e ter tomado medidas para o futuro.

O gerente da empresa, Abílio Nunes, diz que foram criados viveiros de árvores para começar a plantar. Algo que deverá começar a ser feito ainda este ano.

Temos uns viveiros para começar a criar árvores
Abílio Nunes
Gerente da Abílio de Amorim

O volume de produção da empresa ronda os 200 metros cúbicos diários, sete ou oito contentores para exportação. Cerca de 97 por cento da produção da empresa ruma ao exterior.

A exploração deste recurso promete continuar face a uma procura em alta. De acordo com a ATIBT, uma associação comercial que representa o setor da madeira tropical, as importações para a União Europeia, por exemplo, encontram-se atualmente em valores máximos dos últimos dez anos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Banca angolana com índices positivos

Ponta Negra é o armazém de Cabinda

É oficial. Marcelo marca eleições antecipadas na Madeira para 26 de maio