EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Ocean Viking desembarca em Toulon. França e Itália de costas voltadas

Pessoas a bordo do Ocean Viking a celebrar notícia do desembarque em França
Pessoas a bordo do Ocean Viking a celebrar notícia do desembarque em França Direitos de autor Vincenzo Circosta/Copyright 2022 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Vincenzo Circosta/Copyright 2022 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O navio humanitário chegou esta manhã ao porto de Toulon, França, com 230 sobreviventes de naufrágio a bordo. Governo francês critica Itália por ter recusado o desembarque.

PUBLICIDADE

Após quase três semanas sem porto para atracar, o navio humanitário Ocean Viking chegou esta sexta-feira a Toulon, com 230 migrantes a bordo. No porto francês, as autoridades começaram por assistir os passageiros com problemas médicos urgentes.

Segue-se um processo de verificação dos pedidos de asilo. Quem vir a entrada em França negada, será colocado num centro de detenção administrativa onde terá de aguardar pelo regresso ao país de origem.

O procedimento legal foi explicado, esta manhã, por Eric Jalon, diretor-geral do departamento de estrangeiros do ministério do Interior de França, que defendeu que o acolhimento de migrantes está a ser "efetuado dentro de um quadro legal preciso, que é o de uma zona de espera". 

De acordo com Jalon, "a colocação numa zona de espera aplica-se às pessoas de nacionalidade estrangeira que entram no espaço Schengen sem preencher as condições legais de autorização. As pessoas que são detidas numa zona de espera não são autorizadas a entrar no território nacional, sendo, portanto, obrigadas a permanecer nessa zona de espera sob o controlo da polícia fronteiriça".

Tensão diplomática entre França e Itália aumenta

O navio da SOS Mediterranée, uma organização europeia especializada em resgatar pessoas no Mar Mediterrâneo, contribuiu nos últimos dias para o aquecimento do debate sobre migração entre França e Itália, sobretudo depois de Roma ter negado terra firme aos passageiros.

A primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, cujo governo de extrema-direita dificultou a entrada de migrantes no país, alega que Itália tem recebido milhares de pessoas resgatadas no Mediterrâneo, mas que a maioria não foi ainda realojada, insinuando que França pouco tem contribuído para esse esforço acordado entre os países europeus.

"Noventa mil pessoas, ligeiramente menos, desembarcaram [em Itália] desde o início deste ano. No [âmbito do] acordo de realojamento, ao qual aderiram 13 países europeus, espera-se que cerca de 8000 pessoas sejam realojadas, isto é, menos de 10%. Sabe quantas pessoas foram deslocadas até agora? 117, 38 em França", disse a líder do executivo italiano aos jornalistas.

O governo francês não gostou da resposta de Meloni e já avisou Roma de que haverá repercussões, apelando à União Europeia que acione também sanções contra Itália.

Além de França, nove outros países, entre os quais Portugal, já se mostraram disponíveis para receber os migrantes do Ocean Viking.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

França mantém linha dura na questão dos migrantes

UE debateu tensão entre Itália e França por causa da crise migratória

Paris 2024: previsões do quadro de medalhas, factos, programa do dia de abertura e quais os recordes que poderão ser batidos