This content is not available in your region

Equador coloca Qatar no quadro negro dos Mundiais e Enner Valência faz história

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques
Enner Valencia festeja um dos golos do Equador no Qatar
Enner Valencia festeja um dos golos do Equador no Qatar   -   Direitos de autor  Natacha Pisarenko/Copyright 2022 The AP. All rights reserved   -  

O Equador entrou da melhor forma no Mundial de Futebol. A equipa do ex-sportinguista Gonzalo Plata venceu os anfitriões, o Qatar, por 2-0, no jogo inaugural do torneio e colocou a equipa árabe no quadro negro do historial da FIFA.

Um bis de Enner Valência, jogador dos turcos do Fenerbahce, de Jorge Jesus. O equatoriano igualou Cristiano Ronaldo ao marcar os últimos cinco golos da banana mecânica em Mundiais. Mais um e apanha Eusébio, que somou seis e lidera esta tabela à parte com o italiano Paolo Rossi e o russo Oleg Salenko.

Enner Valência isolou-se ainda como melhor goleador em Mundiais da seleção La Tri, como também é conhecida. O avançado e capitão do Equador soma cinco golos em quatro jogos, à frente de Agustín Delgado, que marcou três.

Já o Qatar, que contou com o português naturalizado Pedro "Ró-Ró" Miguel no onze, tornou-se no primeiro país anfitrião a ser derrotado no jogo inaugural e logo na estreia da equipa árabe em Campeonatos do Mundo.

O grupo A fica completo esta segunda-feira com o duelo dos principais favoritos, Senegal-Países Baixos.

Confusões longe do relvado

O primeiro dia do Mundial de futebol no Qatar não passou incólume. Na zona licenciada para acolher os adeptos que não conseguem ir aos estádios e uma das poucas zonas onde o consumo de de bebidas alcoólicas está autorizado, o FIFA Fan Festival, houve confusão à entrada.

Milhares de pessoas tentaram entrar no espaço para ver o jogo inaugural e foram impedidas pela polícia. A Associated Press relata que as pessoas tentaram forçar o acesso ao espaço onde está instalado um ecrã gigante. Apenas algumas mulheres grávidas e pessoas com deficiências motoras foram autorizadas por um acesso especial.

"É muito arriscado. As pessoas podem morrer. A minha família está lá dentro. Não posso entrar para vê-los. Não sei o que fazer", afirmou à AP o iraquiano Hatem el-Berarri.

Um mexicano com passaporte norte-americano, Luis Reyes, comparou o que viu à tragédia ocorrida em Outubro na Coreia do Sul, com centenas de pessoas esmagadas nas ruas de Seul. "Não se podia voltar para trás nem seguir em frente", descreveu.

A mobilização da polícia de choque pelas autoridades do Qatar aconteceu na sequência de um problema similar ocorrido sábado à noite no mesmo espaço, no al-Bida Park.

O Gana, primeiro adversário de Portugal no Mundial, teve entretanto de evacuar o hotel onde se encontra.

A equipa do sportinguista Fatawu Issahakuinformou em comunicado ter disparado o alarme do hotel pelas 14h30 locais e todos os ocupantes da unidade hoteleira tiveram de sair.

Os bombeiros foram chamados. Houve uma vistoria e em menos de uma hora o hotel foi considerado seguro, permitindo o regresso da comitiva do Gana.