Ucrânia prepara-se para o inverno com mais apoio da UE

Terminal improvisado de carregamento de telemóveis em Kherson
Terminal improvisado de carregamento de telemóveis em Kherson Direitos de autor AP Photo/Bernat Armangue
De  Teresa Bizarro com agências
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Bruxelas aprova uma nova parcela de financiamento ao esforço de resistência de 2 mil e 500 milhões de euros

PUBLICIDADE

Sem água, sem eletricidade, sem comida. A retirada da Rússia de Kherson deixou um rasto de destruição e um vazio difícil de preencher. A população regressou à cidade reconquistada pelas tropas ucranianas e tomou como missão sobreviver. A palavra significa agora esperar em longas filas para receber apoio ou simplestente ter acesso água potável. Mesmo quando os garrafões pesam nas mãos.

Ter dinheiro não garante mantimentos. Os supermercados têm as prateleiras vazias e não têm clientes.

"Esperamos encomendas vindas de outras partes da Ucrânia e o leite já está a chegar, mas os preços estão a subir vertiginosamente. As pessoas tentam economizar e vêm quando há produtos para vender," diz a empregada de um supermercado em Kherson.

União Europeia reforça apoio à Ucrânia

É no contexto da escassez que Bruxelas reforça a ajuda à Ucrânia. A presidente da Comissão Europeia anunciou a entrega de uma nova parcela de assistência financeira de 2 mil e 500 milhões de euros à Ucrânia. Para 2023 estão anunciados 18 mil milhões de apoio.

Contas da guerra continuam a somar prejuízos

Esta terça-feira, Moscovo voltou a acusar a Ucrânia de bombardear a central de Zaporíjia e de ameaçar provocar um desastre nuclear. 

Para o diretor da empresa nuclear estatal russa Rosatom,"a  central está em risco de sofrer um acidente nuclear" ironizando que "Kiev considera aceitável um pequeno incidente nuclear, mas a radioactividade não diz a Kyiv se é grande ou pequeno".  Alexei Likhachyov diz que, a acontecer, "este será um precedente que vai mudar para sempre o curso da história na Europa."

Da Ucrânia surgem acusações semelhantes, de que a Rússia está a atacar a central nuclear. Kiev apela à desmilitarização de Zaporíjia que ainda está sob controlo russo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Putin quer mais e melhores armas para soldados na Ucrânia

Maternidades sem luz e criação de "pontos de invencibilidade" no inverno da Ucrânia

Motorista de táxi morto pelas forças russas em Kherson, 12 feridos em Mykolaiv