Croácia à espera para entrar no espaço Schengen

Croácia prepara entrada no espaço Schengen
Croácia prepara entrada no espaço Schengen Direitos de autor Euronews
De  Bruno Sousa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Parlamento e Comissão Europeia já deram luz verde mas ainda falta aprovação unânime do Conselho de Justiça e Assuntos Internos

PUBLICIDADE

A entrada da Croácia no espaço Schengen será decidida esta semana em Bruxelas e se Parlamento e Comissão Europeia até já deram luz verde, na prática falta uma aprovação unânime do Conselho Justiça e Assuntos Internos, que nem por isso está garantida.

A data de entrada está agora fixada no próximo dia 1 de janeiro. Há muito que a Croácia assegura estar preparada mas os vizinhos têm dúvidas. Os camionistas sérvios, por exemplo, receiam que os novos controlos fronteiriços causem atrasos na circulação para quem vem de fora do espaço Schengen. Receios infundados para as autoridades croatas.

Além de Croácia, também Bulgária e Roménia estão na mesma situação. Caso se confirme a previsível entrada no espaço de livre circulação, os Balcãs ficam cercados.

O bósnio Adnan Ćerimagić é analista do grupo de reflexão "European Stability Iniciative" e considera que "o fosso que separa Bósnia-Herzegovina e Croácia vai aumentar com a atual política da União Europeia para a Bósnia e para os Balcãs Ocidentais" e lamenta que não haja "esperança que venha a diminuir nos próximos cinco a dez anos".

Uma visão que não é partilhada pela Croácia, que considera que toda a região irá beneficiar com o alargamento do espaço Schengen, ficando com as portas abertas para um mercado de 420 milhões de pessoas.

Para Vesna Pusić, ex-ministra dos Negócios Estrangeiros da Croácia, "não se trata de um alargamento mas sim de consolidação do território. Estes países estão rodeados por território europeu por isso é uma questão de segurança europeia. Estes países nunca poderão ficar isolados no sentido de estarem separados por um muro, estão é rodeados pela União Europeia."

Para Bruxelas, é importante não criar novos focos de instabilidade na região pelo que todo o processo tem vindo a ser gerido com pinças.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mais gás para a UE através do Corredor Meridional

O que é um "spitzenkandidat"?

Separatistas da Transnístria pedem a Moscovo "proteção" contra a pressão da Moldova