EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Como a escravatura fez os angolanos espalharem-se pelo mundo

Como a escravatura fez os angolanos espalharem-se pelo mundo
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Chris BurnsDinamene Cruz
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Pensa-se que seis milhões de angolanos tenham sido escravizados. Isso levou a que os seus descendentes estejam hoje espalhados pelo mundo e tenham contribuído para o desenvolvimento de vários países. Programa em parceria com o Governo de Angola.

PUBLICIDADE

Milhões de angolanos, durante séculos, foram escravizados e enviados para as Américas a partir das costas africanas.

À procura desse rasto está Afonso Vita, doutorado em geografia humana pela Universidade de Coimbra. Encontrámo-lo em Lisboa, um ponto de passagem para muitos escravos angolanos.

"Angola é um dos países africanos que mais homens, mulheres e crianças perderam, enquanto durou o tráfico negreiro. Temos muitos locais onde ainda encontramos vestígios do tráfico transatlântico", diz.

O negócio da escravatura floresceu em Angola e Portugal. No caminho para o local de onde partiam os navios, está um marco importante: o pelourinho.

"O pelourinho é um espaço onde eram colocados os escravos, onde eram maltratados e vendidos, e onde eram castigados os escravos que se comportavam mal, na visão do colono", explica.

Países de todo o mundo beneficiaram da mão-de-obra escrava: "Os africanos construíram a Europa, construíram a América, até à Ásia também chegaram e influenciaram mudanças que ate hoje registam-se a nível mundial".

Os africanos construíram a Europa e a América.
Afonso Vita
Investigador

Esse elo global é uma oportunidade para o turismo e para a lembrança no Museu da História e Cultura Afro-americana em Washington.

Em 2021, o presidente de Angola, João Lourenço, esteve nos Estados Unidos da América, onde teve o privilégio de convidar a família Tucker, uma das famílias descendentes de escravos angolanos.

O Presidente Lourenço teve direito a uma visita guiada do museu por parte de uma descendente de escravos angolanos.

A ligação entre os angolanos e os norte-americanos descendentes de escravos leva-nos até Massangano, no rio Kwanza.

Emmanuel Caboco, vice-diretor do Instituto Nacional de Património Cultural, diz-nos: "O rio Kwanza foi o eixo principal da penetração colonial portuguesa pelo interior. Foi também o principal ponto de evacuação de mão-de-obra escrava. Estima-se que tenham saído mais de 6 milhões de pessoas para várias geografias".

Pedido de integração no Património da UNESCO

Angola quer o corredor do Kwanza na lista do Património Mundial da UNESCO, o que dá direito a fundos das Nações Unidas. 

Na UNESCO, em Paris, Doudou Diéne, antigo alto funcionário desta instituição, diz que esta inscrição é importante para restaurar a memória e os laços culturais.

"Ligar África ao outro lado do hemisfério significa ligar as culturas. O sistema colonial foi um sistema poderoso, não de domínio político, mas de apagamento das memórias, culturas e identidades. A memória, a cultura e a identidade têm de fazer parte da construção das nações e de todos os países africanos", diz.

Por isso, está a ser planeado um festival: "O Festival Bianual de Encontro e Reencontro de Africanidade em Angola durará dois dias e nele vai-se discutir sobre vários assuntos em volta da escravatura", explica Afonso Vita.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

EUA tentam reconquistar confiança de dirigentes africanos

Uma viagem de descoberta ao longo da rota dos escravos em Angola

O renascimento da TAAG: companhia aérea de Angola tem nova chefia, rotas e aliança global