EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Japão: Fukushima prepara-se para despejar água da central nuclear no mar

Japão: Fukushima prepara-se para despejar água da central nuclear no mar
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Laurence AlexandrowiczEuronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

No próximo ano, o Japão vai começar a despejar água tratada, proveniente da Central Nuclear de Fukushima Daiichi, no mar.

PUBLICIDADE

11 anos depois do desastre de Fukushima, o Japão está a enfrentar um desafio relacionado com a água. Porque é que a Central Nuclear tem de esvaziar, de forma urgente, os seus tanques de água? A Euronews foi ver como é que está a ser preparada a descarga de água, inclusivamente em Tóquio.

Desde o tsunami, de 11 de março de 2011, o país tem vindo a desmantelar e descontaminar o local, o que deverá demorar de 30 a 40 anos. Mas, hoje, conforme explica um funcionário da operadora Tepco(Companhia de Energia Elétrica de Tóquio), a prioridade relaciona-se com a água.

Mas, em primeiro lugar, de onde é que ela vem?

Takahiro Kimoto, da operadora Tepco, explicou que a "água que se acumula, todos os dias, tem sido utilizada para arrefecer o combustível derretido. E também há água, de fontes subterrâneas ou da chuva, que se acumula".

Esta água contaminada é tratada na ALPS, uma unidade especialmente concebida para Fukushima, que elimina quase todas as substâncias radioativas. A água tratada é então armazenada em milhares de tanques, mas o problema é que estes tanques atingiram a sua capacidade máxima. 

Japão vai proceder à descarga da água tratada no mar

No próximo ano, o Japão irá descarregar a água tratada no mar, no entanto, esta água contém uma pequena quantidade de substância radioativa. Trata-se do trítio, que é inseparável da água. Neste laboratório, 90 mil amostras de água tratada são analisadas todos os anos, em preparação para a posterior diluição no mar.

Euronews
Água tratadaEuronews

Após um segundo tratamento na ALPS, a água será levada para o mar através de um túnel, que tem um quilómetro de comprimento e é construído a uma profundidade de 16 metros. Esta estrutura estará concluída na próxima Primavera.

Pouco antes de chegar ao Pacífico, a água será diluída, uma última vez, em grandes piscinas de água do mar.

Será que a vida marinha vai ser afetada pela radioatividade?

Será que a vida marinha vai ser afetada pela radioatividade? Para  odescobrir, a central nuclear está a criar peixes em tanques separados.

"Há tanques de água do mar, de um lado, e tanques de água tratada, misturada com água do mar, do outro lado. Vamos descarregar a água, com normas inferiores, às da água potável, estabelecidas pela Organização Mundial de Saúde (OMS)", explicou Takahiro Kimoto.

Pescadores de Fukushima preocupados

Os primeiros a ser afetados, os pescadores de Fukushima, estão preocupados com a reputação dos seus produtos. 

No porto de Onahama, a 60 km da central nuclear, a atividade já sofreu efeitos negativos devido à apreensão dos consumidores. De 25 mil toneladas por ano, no período anterior a 2011, para agora, apenas 5 mil toneladas de peixe, que são capturadas, de acordo com Nozaki Tetsu, presidente da Federação das Associações Cooperativas de Pesca de Fukushima.

"Como pescador de Fukushima, sou contra a libertação de materiais radioativos no nosso local de trabalho. O que nos preocupa é a reputação negativa que isto acarreta", começou por dizer o responsável dos pescadores.

Este trabalhador disse ainda que "as explicações recebidas por parte do governo, nos últimos dez anos, não têm sido falsas".

"Se também pudermos assumir que as explicações científicas também não o são, faremos um esforço para continuar a pescar, promovendo ao mesmo tempo uma melhor compreensão do consumidor, e, ao fazê-lo, penso que podemos limitar a maior parte dos danos ao nível da reputação", explicou ainda.

Peixes são analisados de forma frequente em laboratório

Após a captura diária de peixes, um animal de cada espécie é analisado neste laboratório, no porto. 

Hoje, das 63 espécies testadas, nenhuma tem qualquer vestígio de radioatividade, por isso estão todas à venda. 

No período de um ano, só uma vez é que um peixe excedeu a fase autorizada. Esta fase está rigorosamente fixada em 50 bequerel, em Fukushima, enquanto que a norma internacional permite 1000 bequerel. A monitorização continuará após a descarga da água tratada.

PUBLICIDADE
Euronews
Os peixes são alvo de várias análises.Euronews

As autoridades repetem que a dose de trítio libertada não será perigosa: 22 terabecquerel, por ano, muito menos do que a maioria das centrais espalhadas pelo mundo: por exemplo, o local de reprocessamento de resíduos de La Hague, em França, liberta mais de 11 mil terabecquerel por ano.

Mas os opositores dizem que o trítio, proveniente de um acidente nuclear, é mais perigoso. Não é verdade, diz este cientista francês, que já visitou o local 30 vezes:

Jean-Christophe Gariel, diretor adjunto do Instituto de Protecção Radiológica e Segurança Nuclear, em França, explicou que "o trítio é um elemento radioativo que é apenas ligeiramente perigoso. Não existem diferentes tipos de trítio. As características do trítio que será libertado em Fukushima são semelhantes às características do tritio libertado pelas centrais nucleares de todo o mundo”.

O governo está satisfeito porque a Grã-Bretanha levantou as restrições à importação de produtos vindos da região, em junho passado. Um sinal de confiança renovada, após anos de esforço.

Tanabe Sot Yuki, diretor para as questões internacionais, do gabinete de resposta a acidentes nucleares, do Ministério da Economia do Japão salientou que já foram organizadas "cerca de 700 reuniões com as partes interessadas, incluindo a indústria da pesca".

PUBLICIDADE

O Japão tomou todas as precauções necessárias relativamente a esta questão sensível da descarga de água tratada e pediu à Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) para supervisionar as operações. Em Maio, Rafael Grossi, diretor da AIEA, visitou Fukushima.

O diretor da AIEA enfatiza o "notável progresso no desmantelamento em Fukushima Daiichi, desde a sua última visita há dois anos".

A agência da ONU criou uma equipa de trabalho. Em Novembro passado, Gustavo Caruso, chefe desta missão, regressou a Fukushima.

Gustavo Caruso, director e coordenador de Segurança Nuclear na AIEA, explicou um pouco mais sobre esta missão.

“Uma equipa de trabalho realizou a sua terceira missão ao Japão e desta vez foi composta por peritos da Argentina, China, Canadá, França, República da Coreia, Ilhas Marshall, Rússia, Reino Unido, Estados Unidos da América e Vietname", referiu.

PUBLICIDADE

O objetivo: garantir a segurança da descarga. A agência da ONU examina os aspetos regulamentares e efetua análises em laboratórios independentes.

Euronews
Gustavo CarusoEuronews

"O relatório de avaliação e as conclusões serão divulgados dentro de três meses e a equipa especial da AIEA realizará também uma outra missão ao Japão, em Janeiro, antes do início da descarga da água. A AIEA emitirá um relatório abrangente, contendo todas as conclusões recolhidas até ao momento, as nossas conclusões sobre todo este processo. Todas as normas que aplicamos representam um elevado nível de segurança", referiu Gustavo Caruso.

As primeiras descargas deverão ter lugar no próximo ano. O Japão está a fazer tudo para tornar esta operação num sucesso e para proteger os habitantes e o ambiente. Um novo passo na reconstrução de uma região, que acredita no seu futuro.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

AIEA valida plano japonês para libertar as águas tratadas de Fukushima