EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

2022, o ano em que Federer e Serena disseram adeus

2022, o ano em que Federer e Serena disseram adeus
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Andrew Robini
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Além da saída de cena dos dois tenistas, o ano desportivo foi marcado pelo Europeu de futebol feminino, pelos Jogos Olímpicos de Inverno e, claro, pelo Mundial no Qatar.

PUBLICIDADE

Com o fim do Mundial no Qatar, com drama dentro e fora do campo, é tempo de olharmos para trás e para alguns outros momentos memoráveis de 2022.

Das lágrimas de Kamila Valieva à celebração icónica de Chloe Kelly, os fãs do desporto viveram um ano cheio de emoções.

Jogos Olímpicos de Inverno

A nossa viagem começa em Pequim, onde recordes mundiais e polémica se juntaram para uns Jogos de Inverno que não vamos esquecer tão cedo.

Com muitas críticas pelo historial de direitos humanos, a neve artificial e as rigorosas restrições Covid-19, os Jogos Olímpicos de Pequim dividiram a opinião pública, mas não deixaram de entusiasmar o público, graças ao desempenho dos atletas.

Liderada por Johannes Boe, a Noruega estabeleceu um novo recorde olímpico de inverno com 16 medalhas de ouro, enquanto a lenda holandesa da patinagem de velocidade, Ireen Wüst, se tornou um dos poucos atletas a ter obtido as honras de topo em cinco Jogos Olímpicos.

Numa história com altos e baixos, os fãs recordarão a redenção de Nathan Chen e a ascensão meteórica de Eileen Gu, mas também a saída antecipada de Mikaela Shiffrin e o colapso de Kamila Valieva.

Aclamada como uma das patinadoras mais talentosas da história, a russa de 16 anos acusou positivo para uma substância proibida, mas o Tribunal de Arbitragem para o Desporto permitiu-lhe continuar a competir, com o argumento da idade. No meio da pressão dos meios de comunicação social, Valieva acabou por falhar um pódio na final individual e ficou em lágrimas quando a vencedora, AnnaShcherbakova, recebeu a medalha.

David J. Phillip/AP
Kamila Valieva em lágrimas depois de falhar o pódioDavid J. Phillip/AP

Europeu feminino de futebol

Dos recordes mundiais em Pequim aos recordes de presenças em Inglaterra, voltemos ao Campeonato Europeu Feminino.

Mais de 87 mil fãs lotaram Wembley para ver a Inglaterra enfrentar a Alemanha na final, um recorde do torneio da UEFA e um jogo que esteve à altura da faturação.

Justamente quando parecia que a Inglaterra poderia mais uma vez vacilar sob a intensa pressão das expectativas, a substituta Chloe Kelly veio em socorro.

Oito vezes vencedora, a Alemanha tinha acabado de eliminar a França e provaria ser o "teste mais difícil" para as leoas. O impressionante segundo tempo de Ella Toone parecia ter sido suficiente, mas o empate aos 79 minutos, por Lina Magull obrigou a prolongamento.

As jogadoras de Sarina Wiegman pareciam estar a cansar as adversárias, mas uma defesa sólida manteve as atacantes alemãs à distância até que Kelly proporcionou o final de sonho a torneio espantoso.

Alessandra Tarantino/AP
A celebração de Chloe KellyAlessandra Tarantino/AP

A jovem de 24 anos tirou a camisola para comemorar, ganhando um cartão amarelo mas também uma referência no Twitter de Brandi Chastain, cuja celebração no mundial de 1999 se tornou uma das fotos desportivas mais icónicas de todos os tempos e deu um grande impulso ao futebol feminino.

Federer e Serena dizem adeus às "courts"

Com o segundo título de Fórmula 1 de Max Verstappen, o regresso de Tiger Woods ou o domínio de Annemiek van Vleuten na Volta a França feminina, 2022 produziu momentos de brilhantismo, mas também marcou o fim de uma era para os fãs de ténis.

Após carreiras ilustres que se estenderam por cerca de um quarto de século, dois dos maiores tenistas de sempre despediram-se.

Antes de Roger Federer começar a ganhar títulos do Grand Slam em 2003, o recorde masculino de mais grandes torneios ganhos era de 14 e pertencia a Pete Sampras. Federer ultrapassou essa marca e estabeleceu um novo padrão que só Rafael Nadal e Novak Djokovic puderam igualar.

Para além dos 20 Grand Slams ganhos, os adeptos recordarão o backhand de uma mão, a elegância e a personalidade que fez de Federer um embaixador do desporto.

À despedida de Federer seguiu-se a de Serena Williams, 23 vezes campeã do Grand Slam, o que deixa perguntas sobre o futuro de um desporto que a dupla dominou durante décadas.

PUBLICIDADE

Serena é também vencedora de 14 Grand Slams em pares, todos vencidos com a irmã mais velha Venus, parte da história notável das duas irmãs de Compton, Califórnia, tendo ambas chegado a número um mundial.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O reinado dos desportos com raquete no Catar, do ténis ao padel

Invasão de abelhas interrompeu quartos de final em Indian Wells

João Sousa despede-se do ténis profissional no Estoril Open