Ucrânia passa Natal às escuras

AFP
AFP Direitos de autor Libkos/Copyright 2022 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Libkos/Copyright 2022 The AP. All rights reserved.
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Em Kiev, 60% dos transformadores foram destruídos.

PUBLICIDADE

A maioria das infraestruturas da Ucrânia ficou destruída devido aos ataques das forças do Kremlin. Quando os eletricistas conseguem ligar a luz durante alguns minutos é uma pequena vitória.

Chernihiv na Ucrânia esteve cercada pelos russos durante várias semanas logo no início da invasão.

"Estamos a reconstruir a linha porque estava muito danificada. A eletricidade não é algo que se ponha num cesto e se leve para casa. É preciso produzi-la para poder ser consumida. Agora, infelizmente, estas são as condições atuais, mas estamos a fazer tudo para garantir que as coisas voltem ao normal, como antes, ou até, que melhorem". afirmou o eletricista ucraniano  Maksym Khropatyi

Russos multiplicam ataques contra rede elétrica ucraniana

Em pleno inverno, as forças russas multiplicam os ataques contra as infraestruturas do país. Em Chernihiv, como em muitas cidades, a eletricidade funciona de forma intermitente.

"Mesmo que seja só por cinco minutos, é bom. Talvez alguém consiga carregar o telefone. Um dia cheguei a casa, e o meu neto estava lá. Com guerra ou sem guerra, ele precisava do telefone. Ele diz: "Avô!" e depois salta para os meus braços e diz: "Obrigado, avô! Há luz!". E dois minutos mais tarde, vai-se embora. Fico com lágrimas nos olhos", afirmou Anatolii Lavrenko, eletricista ucraniano.

Em Kiev, 60% dos transformadores foram destruídos. Face á violência do conflito com a Rússia, numerosos ucranianos começam a afastar-se da tradição ortodoxa e deverá festejar o Natal a 25 de dezembro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Imagens que marcaram os meses de guerra na Ucrânia

Biden diz a Zelenskyy que a Ucrânia "nunca estará sozinha"

Guterres espera o fim da guerra na Ucrânia