EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Crise na saúde deixa 93% dos profissionais de baixa em hospital francês

Saúde francesa em crise
Saúde francesa em crise Direitos de autor Goeffroy van der Hasselt/AP
Direitos de autor Goeffroy van der Hasselt/AP
De  euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Esgotamento físico e psicológico na origem da baixa médica para 55 dos 59 enfermeiros e auxiliares do hospital de Thionville

PUBLICIDADE

As sucessivas vagas de gripe, bronquiolite e covid-19 deixaram os hospitais franceses a rebentar pelas costuras este inverno e os profissionais de saúde não são suficientes para dar conta do recado.

Perante a degradação das condições de trabalho, enfermeiros e auxiliares do hospital de Thionville, junto à fronteira com o Luxemburgo, decidiram dizer basta e 93% dos efetivos meteram baixa médica.

Restaram apenas quatro de um total de 59 funcionários, o que provocou um tempo de espera para os pacientes que pode chegar às 90 horas, ou seja, quase quatro dias.

A delegada sindical, Clarisse Mattel, justifica a medida: "Os profissionais de saúde estão de baixa porque se encontravam esgotados, física e psicologicamente. Nunca é fácil tomar uma decisão destas. É uma decisão terrível para quem trabalha no serviço de urgências de um hospital público, mas penso que não lhes restava outra alternativa face ao seu esgotamento. É sobretudo um grito do coração, um pedido de socorro ao governo."

A administração hospitalar já reagiu com a criação de doze postos de trabalho permanentes nos serviços de urgência, seis para enfermeiros, seis para auxiliares. Uma solução que não resolve um problema que se agrava no país, a falta de pessoas interessadas em trabalhar no setor da saúde.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Macron pede que antissemitismo seja discutido nas escolas após violação de uma jovem judia

Líder da extrema-direita opõe-se ao envio de tropas francesas para a Ucrânia

Francês detido no Irão por participar em protestos após a morte de Mahsa Amini foi libertado