Hídricas artesanais bósnias dão esperança aos ucranianos

Access to the comments Comentários
De  Nara Madeira  com AFP
Mini-hídrica usada durante a Guerra da Bósnia
Mini-hídrica usada durante a Guerra da Bósnia   -   Direitos de autor  AFP

A experiência de sobrevivência de um enclave bósnio, durante a guerra, está a ajudar os ucranianos a terem eletricidade quando ela falta devido aos ataques da Rússia. 

Há 30 anos, quando o país estava em guerra, o povo de Gorazde construiu mini-centrais elétricas, no rio Drina. 

O trabalho de uma pequena equipa de engenheiros mecânicos e eletricistas permitiu gerar eletricidade para alimentar o hospital da cidade e edifícios perto do rio. Aziz Lepenica, professor de engenharia reformado e membro do grupo que criou estas mini-centrais hidroeléctricas, explicava que, na altura, não houve tempo para fazer planos, desenhos. Fizeram tudo o que estava nas suas cabeças. "Foi um momento difícil, mas estávamos entusiasmados", referia.

O pedido de partilha da experiência, e de material, se ainda houvesse, foi feito pela delegação da União Europeia na Bósnia ao governador regional de Gorazde. Desta vez foram feitos "desenhos", a população ajudou e em cinco dias foi recolhido tudo o que se encontrou e foi enviado à UE. 

E estas mini-centrais elétricas - símbolo da resistência e determinação do único enclave no leste da Bósnia a manter-se firme e nunca ser ocupado por forças sérvias - podem agora ajudar os ucranianos a ultrapassar parte, pelo menos parte, das adversidades.