Irão decreta sanções contra personalidades e entidades europeias

Access to the comments Comentários
De  Maria Barradas  com AP
Bandeira do Irão
Bandeira do Irão   -   Direitos de autor  Lee Jin-man/Copyright 2022 The AP. All rights reserved

O Irão anunciou sanções que visam mais de 30 indivíduos e entidades europeias.

A medida é uma resposta às recentes sanções europeias contra funcionários iranianos ligadas à repressão dos protestos a nível nacional.

Os visados incluem o procurador-geral britânico e chefe de pessoal do exército, vários parlamentares europeus e oficiais militares europeus, assim como o intelectual francês, Bernard-Henri Levy, e três funcionários superiores da revista satírica francesa Charlie Hebdo.

As sanções proibiriam as viagens ao Irão e permitiriam às autoridades bloquear contas bancárias e confiscar bens no Irão. É pouco provável que as medidas afetem diretamente os visados, sendo, em grande parte, simbólicas.

Thijs Reuten, um eurodeputado holandês também incluído na lista negra de Teerão, disse à Euronews: "Penso que estão em pânico e que se sentem muito fracos, por isso se mudaram para este tipo de medidas e é bizarro que o regime pense que pode silenciar o Parlamento Europeu. O contrário é verdade. Estou ainda mais motivado para continuar os nossos esforços para chamar à guarda revolucionária aquilo que ela é, uma organização terrorista que está a aterrorizar o seu próprio povo e também a utilizar métodos terroristas fora do Irão".

Estou ainda mais motivado para continuar os nossos esforços para chamar à guarda revolucionária aquilo que ela é, uma organização terrorista que está a aterrorizar o seu próprio povo e também a utilizar métodos terroristas fora do Irão
Thijs Reuten
Eurodeputado holandês visado pelas sanções do Irão

O eurodeputado diz que ser sancionado por Teerão o torna mais empenhado e determinado em apoiar os iranianos contra o regime.

"Pessoalmente, não há muito impacto porque me sinto ainda mais encorajado a continuar a apoiar os iranianos no Irão que estão a resistir ao seu regime e a lutar pela liberdade. Assim, penso que politicamente estaremos ainda mais motivados e mais vocais sobre o que pensamos deste regime".

Há muito que o Irão está sob pesadas sanções norte-americanas e europeias ligadas ao seu contestado programa nuclear e ao apoio a grupos militantes regionais. 

As sanções nucleares foram levantadas ao abrigo de um acordo histórico de 2015 com as potências mundiais, mas o Presidente Donald Trump restabeleceu-as após ter retirado unilateralmente os EUA do acordo.

Entretanto, o regime do Irão alega que as últimas sanções da UE, aplicadas há uma semana atrás, violam a Carta das Nações Unidas.

Centenas de mortes e milhares de detenções

Os iranianos têm protestado contra o regime desde a morte da jovem de 22 anos, Masha Amini, que foi presa pela polícia moral por alegadamente ter violado o rigoroso código de vestuário islâmico do Irão em setembro passado.

As manifestações têm apelado ao derrube da teocracia iraniana e representam um dos maiores desafios para os clérigos no poder desde a revolução de 1979. 

Pelo menos 527 manifestantes foram mortos e mais de 19.500 pessoas foram presas, segundo os Ativistas dos Direitos Humanos no Irão. 

As autoridades iranianas não forneceram uma contagem oficial das pessoas mortas ou detidas, e atribuíram os protestos e a violência a potências estrangeiras sem fornecerem provas.

Os manifestantes dizem estar fartos, após décadas de repressão social e política, de uma liderança clerical que consideram corrupta e incompetente.

Na quarta-feira, os iranianos sofreram uma breve interrupção da Internet a nível nacional. 

O Irão cortou o acesso à Internet em várias ocasiões desde que os protestos começaram há quatro meses,  dificultando a partilha de informações e a organização de ações por parte dos ativistas. 

As autoridades também restringiram fortemente a cobertura mediática da agitação.