EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

China diz que EUA violaram "práticas internacionais" ao abater balão-espião

Alegado balão-espião chinês foi abatido este sábado
Alegado balão-espião chinês foi abatido este sábado Direitos de autor AP/AP
Direitos de autor AP/AP
De  Pedro Sacadura com AFP, EFE
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

EUA falam em "violação inaceitável" da "soberania" americana

PUBLICIDADE

A China acusou os EUA de "violar  as práticas internacionais" e de reagir de forma "exagerada" ao abater o alegado balão-espião que sobrevoava o território norte-americano desde terça-feira.

"A China expressa forte insatisfação e protesta contra o uso da força por parte dos EUA", sublinhou, em comunicado, o ministério chinês dos Negócios Estrangeiros, acrescentando que "se reserva o direito" de retaliar.

O Pentágono (Departamento de Defesa norte-americano) insiste que se tratava de um balão usado para espionagem.

O secretário da Defesa norte-americano, Lloyd Austin, sublinhou que o aparelho foi usado "pela República Popular da China para tentar espiar lugares estratégicos" nos EUA e falou numa "violação inaceitável" da "soberania" americana.

Pequim, por outro lado, reforçou a narrativa de que o aparelho era "um dispositivo civil usado para fins meteorológicos", que acabou por sobrevoar o território norte-americano "por causas de força maior", de forma "completamente acidental."

O balão foi abatido este sábado por um míssil lançado de um caça F-22 da Força Aérea dos EUA ao largo da costa da Carolina do Sul, no espaço aéreo americano.

Encontrava-se a cerca de 18 quilómetros de altitude e a uma distância 11 quilómetros da costa, de acordo com responsáveis do Pentágono.

O presidente dos EUA, Joe Biden, congratulou os pilotos pelo "sucesso" da operação.

Disse que ordenou o abate - "assim que possível" -  na quarta-feira, mas que o Pentágono queria encontrar "o lugar mais adequado possível para a operação", de forma a evitar efeitos indesejados da queda de destroços, por exemplo, sobre a população.

"Dei ordem para o abate. Na quarta-feira disseram-me: vamos esperar pelo lugar mais seguro para fazê-lo."
Joe Biden
Presidente dos EUA

Os congressistas republicanos criticaram a resposta de Joe Biden, que esperavam ser mais célere.

Numa mensagem publicada na rede social Twitter, a republicana Marjorie Taylor Greene disse que "o presidente [Donald] Trump nunca teria tolerado isto."

Já o primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, congratulou Biden pela operação. O balão também sobrevoou espaço aéreo do Canadá

De acordo com o Departamento de Defesa norte-americano, o balão entrou primeiro no espaço aéreo dos EUA, a 28 de janeiro, sobre o Alasca, antes de entrar no Canadá, a 30 de janeiro, e depois reentrar no espaço aéreo americano na zona do estado de Idaho, no noroeste dos EUA, a 31 de janeiro.

O que é que este episódio significa para as relações sino-americanas?

O caso abriu uma nova crise diplomática, que abala ainda mais o permanente estado de tensão entre Washington e Pequim.

PUBLICIDADE

A primeira consequência, para já pelo menos, foi o adiamento da viagem do secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, a Pequim para um encontro com o presidente chinês Xi Jingping.

Seria a primeira visita de um secretário de Estado americano desde outubro de 2018 e serviria para acertar agulhas sobre questões delicadas como Taiwan, direitos humanos, Coreia do Norte, a guerra na Ucrânia, política comercial ou alterações climáticas.

Pensada para desanuviar as tensões e originalmente marcada para domingo e segunda-feira, foi adiada.

Será remarcada quando houver "condições certas" e a atmosfera estiver menos pesada.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Canadá manda abater "objeto não identificado" a sobrevoar o país

Biden manda abater balão chinês sobre os EUA

"A China é uma ameaça à nossa segurança", alerta vice-secretário-geral da NATO