Mais de 4.800 abusos sexuais na Igreja Católica em Portugal, anuncia comissão

Cardeal-patriarca de Lisboa e Presidente da Conferência Episcopal ouvem resultados da comissão
Cardeal-patriarca de Lisboa e Presidente da Conferência Episcopal ouvem resultados da comissão Direitos de autor MANUEL DE ALMEIDA/ LUSA
De  Nuno Prudêncio
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Comissão independente validou diretamente 512 testemunhos de abuso, mas estima que o total de casos é quase dez vezes superior

PUBLICIDADE

Nas últimas sete décadas, foram abusadas sexualmente mais de 4.800 crianças no seio da Igreja Católica em Portugal. É a estimativa do relatório apresentado pela comissão independente esta segunda-feira, baseada em 512 denúncias diretas. No entanto, o coordenador da comissão, o pedopsiquiatra Pedro Strecht, considera que se trata de um número "absolutamente mínimo".

Não é difícil encontrar dados chocantes no documento entregue à Conferência Episcopal Portuguesa. Um deles reporta que a idade média das vítimas no início dos abusos é de 11,2 anos. A Igreja declara que será divulgada uma lista de abusadores ainda no ativo até ao final do mês.

É uma situação dramática, que não é fácil de ultrapassar.
D. José Ornelas
Pres. da Conferência Episcopal Portuguesa

Os distritos com maior número de casos são Lisboa, Porto, Braga, Santarém e Leiria. Foram encaminhadas para o Ministério Público 25 denúncias.

A grande maioria dos casos já prescreveu

A janela temporal dos casos começa em 1950, abrangendo vítimas de 15 até 88 anos. Isso significa que para a grande maioria das vítimas, os casos já prescreveram na Justiça.

A maior percentagem das vítimas afasta-se da Igreja enquanto instituição e da prática religiosa após o abuso, perdurando essa posição de forma transgeracional.
Pedro Strecht
Coordenador da comissão independente

No dia 3 de março está marcada uma assembleia plenária da Conferência Episcopal, presidida pelo bispo D. José Ornelas, para analisar em conjunto as implicações de um relatório que cobre sete décadas. O responsável já reagiu às conclusões, dizendo que "é uma situação dramática, que não é fácil de ultrapassar".

Criada no final de 2021, a comissão debruçou-se sobre este tema fraturante ao longo de todo o ano de 2022, trabalhando sob o mote "Dar voz ao silêncio"

LUSA
D. Manuel Clemente e D. José Ornelas ouvem relatório da comissãoLUSA

O grupo integra expressamente figuras sem ligação à Igreja, a saber, um antigo ministro da Justiça, uma socióloga e uma assistente social, entre outros. Mal começou a operar em janeiro, em apenas uma semana surgiram mais de uma centena de denúncias. Até outubro, já superavam as 400. Pedro Strecht avisava que os números seriam muito maiores.

O contexto francês

O estudo retrospetivo em Portugal (a palavra "investigação" é evitada) teve como impulso uma carta aberta assinada por centenas de católicos portugueses a exigir o apuramento de abusos, na sequência do escândalo em torno da Igreja Católica em França. Nesse país, foram reportados mais de 300 mil casos, utilizando a mesma metodologia: extrapolação estatística a partir de denúncias diretas.

Recentemente, o canal público France 2 fez uma reportagem sobre as indemnizações propostas a algumas vítimas. Ao que tudo indica, entre essas propostas estariam ofertas insólitas como viagens a Veneza ou pagamento de despesas com animais de companhia.

Quais são as respostas a dar?

A questão tem lançado profundos abalos sobre a sociedade, mesmo com os pedidos de desculpa sucessivos que a cúpula da Igreja Católica apresenta, revertendo a retórica oficial que apontava "casos pontuais".

Um dos capítulos mais difíceis de gerir será o do encobrimento de casos por parte da hierarquia católica, traço comum entre vários dos testemunhos apresentados em Portugal. As conclusões revelam um problema sistémico, espalhado por toda a instituição, o que deixa em aberto várias questões num ano em que o Papa se desloca a Lisboa para a Jornada Mundial da Juventude (de 1 a 6 de agosto).

A comissão defende que seja constituída uma nova comissão para dar "continuidade ao estudo", integrando desta vez elementos da Igreja. E que medidas serão tomadas para renovar a confiança na instituição religiosa, evitar novos casos e restabelecer credibilidade?

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

1,5 milhões de peregrinos assistiram à Vígila do Papa Francisco em Lisboa

Seul é a próxima cidade a receber a Jornada Mundial da Juventude

Papa encontra-se com vítimas de abusos sexuais na Igreja em Portugal