EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Rússia não deverá ter vitórias até 24 de fevereiro

Guerra na Ucrânia analisada na Euronews
Guerra na Ucrânia analisada na Euronews Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Ucrânia quer aulas à distância, entre 22 e 24 de fevereiro, pelo risco de ataques russos, no 1º aniversário da invasão encetada por Moscovo, em 2022.

PUBLICIDADE

A Ucrânia pediu às escolas a realização de aulas à distância de 22-24 de Fevereiro devido ao risco de ataques com mísseis russos quando se assinala o primeiro aniversário da invasão, iniciada por Moscovo em 2022.

Em relação à situação no terreno, é improvável que as forças russas consigam obter qualquer vitória até 24 de fevereiro, dizem o Instituto para o Estudo da Guerra e o Ministério da Defesa do Reino Unido.

As forças russas continuam a fazer progressos táticos adicionais dentro e nos arredores de Bakhmut, no Leste da Ucrânia.

O organismo, sedeado, nos EUA, diz que as imagens de geolocalização dessa área podem sugerir que as forças russas desistiram de tentar cercar Bakhmut e, em vez disso, estão a concentrar-se em lutar a partir do norte.

Responsáveis ucranianos comunicaram que as forças russas continuam a reforçar e a construir fortificações nas zonas de retaguarda no sul da Ucrânia.

O Presidente da Câmara de Melitopol diz que as forças russas aumentaram o número de forças do Grupo Wagner, mobilizaram pessoal e batalhões vindos da Ossétia do Norte e Dagestani em áreas, não especificadas, da região de Zaporíjia.

O ISW concluiu que o transporte dessas forças irregulares, que provavelmente estão desgastadas, mal treinadas, ou ambas, para a região de Zaporíjia, sugere que para a liderança militar russa não é prioridade fazer novas conquistas territoriais no sul da Ucrânia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cinco tabus que a UE quebrou num ano de guerra na Ucrânia

Líderes mundiais discutem em Munique resposta à guerra na Ucrânia

Ataque aéreo a Kharkiv faz pelo menos sete mortos. Zelenskyy condena brutalidade russa