Líder da oposição bielorrussa Sviatlana Tsikhanouskaya condenada à prisão

Sviatlana Tsikhanouskaya, em Davos, em 17 janeiro deste ano
Sviatlana Tsikhanouskaya, em Davos, em 17 janeiro deste ano Direitos de autor AP Photo/Markus Schreiber
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A face mais mediática da oposição na Bielorrússia reagiu pelas redes sociais à condenação e lembrou os milhares de inocentes detidos pelo regime de Lukashenko

PUBLICIDADE

Tribunal da cidade de Minsk, capital da Bielorrússia, condenou a face mais mediática da oposição ao presidente Alexander Lukashenko a 15 anos de prisão, por conspiração para tomar o poder de forma anticonstitucional e outras acusações consideradas como tendo motivação meramente política.

Sviatlana Tsikhanouskaya, que foi candidata presid3encial em 2020, foi condenada à revelia num processo que implica outros rivais do atual chefe de Estado, incluindo o antigo embaixador bielorrusso em França e ex-ministro da Cultura Pavel Latushko, também implicado na referida conspiração e que foi condenado a 18 anos de prisão.

Outras altas figuras da oposição, Maryya Maroz, Volha Kavalkova, e Syarhey Dylevski, foram condenados a 12 anos de prisão, noticiou esta segunda-feira a agência estatal bielorrussa BelTA.

Exilada no estrangeiro, Sviatlana Tsikhanouskaya reagiu pelas redes sociais, considerando a condenação "uma recompensa" que lhe foi concedida pelo regime de Lukashenko "pelo trabalho em prol das mudanças democráticas na Bielorrússia".

Tsikhanouskaya aproveitou para lembrar "os milhares de inocentes detidos e sentenciados a penas de prisão efetiva" pelas autoridades bielorrussas e prometeu "não parar até que cada um deles seja libertado".

O caso foi aberto devido aos fortes protestos iniciados em agosto de 2020 antes das eleições presidenciais e agravados após o anúncio de que Lukashenko tinha sido reeleito para um novo mandato, num escrutínio sob suspeita de manipulação.

As manifestações contra Lukashenko degeneraram em confrontos com a polícia, que provocaram dezenas de feridos e um morto logo na primeira noite, a 9 de agosto. Tsikhanouskaya reclamou ter conseguido entre 60% e 70% dos votos.

A vitória de Lukashenko não foi reconhecida pela União Europeia e considerou a tomada de posse a 23 de setembro de 2020 ferida de "legitimidade democrática".

A perseguição das autoridades bielorrussas a outras vozes da oposição colocou no alvo inclusive jornalistas, nomeadamente os fundadores do portal NEXTA. Um deles, Raman Pratasevich, foi detido após o controverso desvio, com recurso à força aérea bielorrussa, de um avião comercial da Ryanair, que fazia a ligação entre a Grécia e a Lituânia.

Pratasevich e, à revelia, os outros dois fundadores do NEXTA estão também a ser julgados em Minsk há quase três semanas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tribunal bielorrusso inicia julgamento de jornalistas que deram voz à oposição

União Europeia não reconhece resultado das presidenciais na Bielorrússia

Eleições presidenciais na Bielorrússia em clima de tensão