EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Tribunal bielorrusso inicia julgamento de jornalistas que deram voz à oposição

Raman Pratasevich a ser detido pela polícia bielorrussa em 2017
Raman Pratasevich a ser detido pela polícia bielorrussa em 2017 Direitos de autor AP Photo/Sergei Grits, Arquivo
Direitos de autor AP Photo/Sergei Grits, Arquivo
De  Francisco Marques
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Raman Pratasevich foi detido em maio de 2021 3 e é o único réu presente dos três acusados de conspirar para derrubar o presidente e promover os protestos de 2020

PUBLICIDADE

Começou esta quinta-feira no Tribunal Distrital de Minsk, a capital da Bielorrússia, o julgamento dos jornalistas do portal NEXTA, o conjunto de canais, nomeadamente na plataforma Telegram, que deu voz à oposição do Presidente Alexander Lukashenko após as eleições de agosto de 2020.

Antigo chefe da redação do portal, Raman Pratasevich foi detido em maio de 2021 após o avião comercial da companhia irlandesa Ryanair, em que viajava da Grécia para a Lituânia, ter sido desviado para Minsk por um avião da força aérea bielorrussa devido a uma alegada ameaça de bomba a bordo, nunca comprovada.

Pratasevich é o único réu presente no tribunal. Outros dois fundadores do NEXTA, Stepan Putilo e Yan Rudik, são julgados à revelia e sem sequer terem contatado com os advogados de defesa que lhes foram atribuídos. Os três são acusados de organizar protestos e conspirar para derrubar Lukashenko.

Na leitura inicial do processo, o tribunal revelou que o trio é acusado de pelo menos 1.586 crimes, incluindo a participação num plano para transferir o poder na Bielorrússia de Lukashenko para Sviatlana Tsikhanouskaya, uma das faces mais mediáticas na liderança da oposição bielorrussa.

Em declarações supostamente recolhidas no interior do tribunal pela agência de notícias estatal BelTA, o jornalista parece falar sem coação e diz estar "moral e psicologicamente preparado para qualquer resultado".

"Nada está nas minhas mãos", afirma Raman Pratasevich, garantindo estar de acordo com as acusações que lhe são dirigidas.

Raman Pratasevich foi detido em maio de 2021 quando viajava ao lado da namorada.

O jornalista passou algumas semanas detido e, após ter aceitado cooperar com a justiça, inclusive com um vídeo onde revelou uma posição contrária à que defendia anteriormente, mostrando-se então elogioso para o Presidente Lukashenko e criticando a oposição, que assegurava estar a ser financiada por governos europeus e bielorrussos milionários no exílio.

Raman Pratasevich, que as autoridades bielorrussas dizem ter-se confessado culpado, acabou por ser transferido para prisão domiciliária, onde se manteve a aguardar o julgamento agora iniciado.

A namorada, Sofia Sapega, de 24 anos, foi entretanto condenada em maio do ano passado a seis anos de prisão, por apelar à violência e recolha ilegal de dados pessoais de um indivíduo não identificado pela justiça bielorrussa.

Leonid Shcheglov/Pool via AP
Sofia Sapega no tribunal de Grodno, Bielorrússia, em 6 de maio de 2022Leonid Shcheglov/Pool via AP

Pratasevich e os outros dois fundadores do portal NEXTA arriscam penas até 15 anos de prisão devido ao alegado envolvimento na promoção dos protestos espoletados após a eleição de Lukashenko em agosto de 2020 para um novo mandato de cinco anos como Presidente da Bielorrússia, onde se mantém desde a revisão constitucional de 1994 após a dissolução da União Soviética.

Outras fontes • AFP, AP, BelTA

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Líder da oposição bielorrussa Sviatlana Tsikhanouskaya condenada à prisão

Líder da oposição bielorrussa Sviatlana Tsikhanouskaya julgada à revelia

Rússia e Bielorrússia acertam estratégia para a ofensiva na Ucrânia