Sangue derramado em Bakhmut tem um "valor político" para Rússia e Ucrânia

Destruição em Bakhmut, Ucrânia
Destruição em Bakhmut, Ucrânia Direitos de autor AP/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Sangue derramado em Bakhmut tem um "valor político" e não estratégico, para a Rússia e a Ucrânia, diz um perito em Segurança.

PUBLICIDADE

A batalha por Bakhmut dura há vários meses e tornou-se simbólica para ambos os lados. Segundo os peritos ocidentais, Bakhmut em si não tem grande valor militar e estratégico. A razão pela qual a luta sangrenta não cessou reside no plano político. A batalha já custou demasiado, tanto a Moscovo como a Kiev, para que se desista agora.

Infelizmente, o que acontece, como em Verdun, é que quando muitas pessoas começam a morrer, por um lugar, deixa de ser importante. Mas, com todo o custo em termos de sangue, torna-se politicamente significativo.
Patrick Bury
Professor na Universidade de Bath

Segundo peritos ocidentais, é importante para a Rússia obter uma vitória retumbante após uma série de derrotas pesadas, no final do ano passado.

Kiev, por seu lado, afirma que na região de Bakhmut, o exército ucraniano está a conter as forças russas, impedindo o Kremlin de conduzir grandes operações noutras áreas e preparando os seus próprios contra-ataques.

Patrick Bury, explicava que os ucranianos estão a usar esta batalha como "defensiva", um combate de "contra-ataque para infligir o maior número de baixas aos atacantes russos, com o menor custo possível para si próprios", para depois "desencadear um ou dois contra-ataques contra a Rússia".

Para o Kremlin a tomada de Bakhmut pode "abrir a porta" para a região de Donetsk mas os peritos ocidentais duvidam das capacidades russas de conduzir, ali, operações decisivas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Presidente da Ucrânia pondera mudar o nome da Rússia para "Moscóvia"

Militares ucranianos votam por "não recuar" em Bakhmut

Soldados ucranianos na linha da frente: quando não há vida além da guerra