EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Berlim criticada por financiamento militar lento

Eva Högl, comissária da Defesa do Parlamento alemão
Eva Högl, comissária da Defesa do Parlamento alemão Direitos de autor Wolfgang Kumm/dpa via AP
Direitos de autor Wolfgang Kumm/dpa via AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Comissária da Defesa do Parlamento alemão diz que "falta de tudo" ao Exército

PUBLICIDADE

"Falta de tudo" ao Exército alemão, apesar do compromisso assumido pelo chanceler Olaf Scholz de um investimento massiço depois da invasão russa da Ucrânia.

Esta é, pelo menos, a análise feita pela comissária da Defesa do Bundestag, o Parlamento alemão.

Eva Högl afirma que ainda não foi gasto "nem um único euro" dos 100.000 milhões aprovados pelo Parlamento. 

Vou começar pelo tópico do material e resumir numa frase: falta de tudo às forças armadas e têm tido ainda menos desde 24 de fevereiro de 2022. Isso aplica-se ao treino, aos exercícios e também ao equipamento no terreno.
Eva Högl
comissária da Defesa do Bundestag

Scholz foi aplaudido no ano passado, quando anunciou uma nova política que incluía um compromisso com o objetivo da NATO de aplicar 2 por cento do PIB na Defesa.

A comissária também pôs em causa o objetivo de recrutar 203.000 soldados até 2031. 

As críticas de Högl juntam-se às de legisladores e oficiais que têm pedido um financiamento mais rápido para o Exército.

Mas, apesar da falta de investimento interno, a Alemanha tem enviado bastante assistência militar para a Ucrânia, no último ano, comprometendo-se nomeadamente com o fornecimento de tanques Leopard 2 modernos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Parlamento alemão debate violência no país e condena ataque contra Robert Fico

Borrell compara destruição em Gaza com danos causados nas cidades alemãs na Segunda Guerra Mundial

Três alemães detidos por suspeitas de espiarem para a China