Ucrânia prepara contraofensiva para defender o seu território

Guerra na Ucrânia
Guerra na Ucrânia Direitos de autor LIBKOS/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Sasha Vakulina
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Contraofensiva ucraniana "está para breve", quem o diz é o Comandante das forças terrestres da Ucrânia.

PUBLICIDADE

O líder do grupo Wagner, Yevgeny Prigozhin, afirmou que a Ucrânia tem 200.000 reservas concentradas para atacar ao longo de toda a linha de frente oriental.

Para o Instituto para o Estudo da Guerra as declarações exageradas de Prigozhin, sobre a ameaça iminente às forças russas, são provavelmente uma tentativa de garantir mais provisões e reforços do Ministério da Defesa russo para salvar as suas forças em Bakhmut.

Prigozhin negou as afirmações do Kremlin de que a Rússia está a lutar contra a NATO na Ucrânia e questionou se existem, realmente, nazis na Ucrânia, como o Kremlin afirma constantemente.

Prigozhin declarou que a Rússia está a lutar "exclusivamente contra os ucranianos" e alguns a quem chamou de mercenários "russofóbicos" que apoiam, voluntariamente, a Ucrânia. Mas não a própria NATO.

O comandante das forças terrestres ucranianas, Oleksandr Syrskyi, declarou que os elementos do Grupo Wagner continuam a ser a principal força russa a operar no sentido de Bakhmut e que ainda não perderam as suas capacidades ofensivas.

Syrskyi salientou que embora as forças Wagner ainda tenham uma vantagem numérica na linha da frente, as forças ucranianas continuam a desgastar os mercenários.

Em direção a Avdiivka, as forças russas continuam a formar novas brigadas a partir do legado das chamadas unidades separatistas da República Popular de Donetsk, controladas pela Rússia, e a mobilizar pessoal.

As forças russas continuam a atacar as posições ucranianas em torno de Avdiivka. O ISW cita uma fonte russa, que afirma ser demasiado cedo para especular sobre os esforços russos para criar um caldeirão em torno de Avdiivka e sobre os sucessos operacionais nessa área.

O comandante das forças terrestres da Ucrânia disse que as suas forças começariam em breve uma contraofensiva depois de terem resistido à brutal campanha de inverno da Rússia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Aos 79 anos, Olga despede-se da sua casa destruída por um ataque aéreo russo

Rússia mantém vaga de bombardeamentos sobre leste da Ucrânia

Rússia declara correspondente da BBC de “agente estrangeiro”