Autor do ataque ao Centro Ismaelita em Lisboa teria problemas psicológicos

Centro Ismaelita em Lisboa
Centro Ismaelita em Lisboa Direitos de autor Armando Franca/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O agressor que matou duas funcionárias do Centro Ismaelita em Lisboa chegou a Portugal há cerca de um ano. Viúvo, vivia em Odivelas com os três filhos. Trata-se de um refugiado afegão que não estava sinalizado pelas autoridades por simpatias extremistas. Teria problemas psicológicos.

PUBLICIDADE

O agressor que matou duas funcionárias do Centro Ismaelita em Lisboa chegou a Portugal há cerca de um ano. Viúvo, vivia em Odivelas com os três filhos. Trata-se de um refugiado afegão que não estava sinalizado pelas autoridades por simpatias extremistas. Teria problemas psicológicos.

"Trata-se de um homem ainda relativamente jovem com três filhos menores (9, 7 e 4 anos de idade), que foi vítima também do falecimento da sua mulher, na Grécia, em circunstâncias difíceis, num campo de refugiados, que foi recolocado em Portugal ao abrigo da cooperação europeia e tratava-se de um cidadão beneficiário do estatuto de proteção internacional", disse o ministro português da Administração Interna, José Luís Carneiro.

Abdul Bashir recebia ajuda do Centro Ismaelita onde ia buscar alimentos e tinha aulas de português. Foi, aliás, durante a aula que feriu o professor com uma faca. Depois, já fora da sala matou duas funcionárias do centro, com cerca de 20 e 40 anos, que ajudavam na integração de refugiados, como Bashir.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Papa encontra-se com vítimas de abusos sexuais na Igreja em Portugal

Será que a Alemanha pode ser neutra em relação à guerra de Gaza?

Turquia assinala primeiro aniversário de terramoto mortífero