Jovens franceses mobilizam-se contra Emmanuel Macron

Sindicalistas da CGT em protesto contra a reforma das pensões
Sindicalistas da CGT em protesto contra a reforma das pensões Direitos de autor Michel Spingler/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os franceses continuam a protestar. Os jovens estão mais mobilizados do que nunca, determinados a enfrentar Macron até à morte da reforma das pensões

PUBLICIDADE

Os franceses estão mais uma vez nas ruas mas, desta vez, os jovens estão significativamente mais envolvidos e, dizem, mais determinados do que nunca.

Para eles, não se trata apenas da reforma do sistema de pensões. O que está em jogo é a democracia deste país, e, dizem eles, o seu futuro.

Mathis, um estudante de Física de 23 anos não tem dúvidas de que compete à juventude lutar pelas mudanças na sociedade.

"Penso que o governo tem medo da juventude devido à sua capacidade de se organizar e estar presente em todo o lado a toda a hora, de desafiar - e esse é claramente o nosso objetivo, queremos desafiar aqueles que nos querem reprimir, aqueles que querem impor negociações e compromissos. Queremos vencer para provocar a mudança na sociedade".

Youri, de 22 anos, estudante de Matemática e Informática afina pelo mesmo diapasão.

"É essencial que a juventude se mobilize para contrariar o aspeto radical deste movimento, para nos permitir sair todos os dias até que a reforma seja desmantelada". E vemos que a juventude tem esse papel a desempenhar. Foi o que aconteceu em 1968 e está agora a acontecer de novo".

O analista político, fundador da Agência MCBG Conseil, Philippe Moreau Chevrolet faz o paralelo com o movimento de maio de 68.

"Há um paralelo a traçar com maio de 68 porque em 68 tínhamos um velho presidente, De Gaulle, que era importante para toda uma geração, mas não para a geração jovem. É o mesmo com Emmanuel Macron - ele é o presidente dos velhos, foi eleito pelos seniores. No fundo, ele não fala com os jovens. E os jovens não suportam mais isto, não suportam esta forma de governar distante, autoritária, e querem um sistema mais cooperativo, horizontal, mais bondade e cuidado que não têm com este presidente.

O paralelo que podemos fazer com maio de 68 é que passámos de uma crise social - uma crise baseada no problema da reforma das pensões - para uma crise política, uma crise democrática.

O problema de Emmanuel Macron é que ele comunicou como um jovem, mas governou como um velho - com os velhos. No final, os jovens compreenderam que ele não é nem ecologista, nem sensível aos seus problemas, nem realmente empático... Tudo isto é falso.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polícia encontra mais de 60 quilos de canábis em casa de autarca francesa

Polícia francesa expulsa dezenas de migrantes de Paris a quase 100 dias dos Jogos Olímpicos

Encontrados restos mortais do pequeno Émile