Uma em cada seis pessoas no mundo afetadas pela infertilidade

Mãe sorri para a sua filha, que foi concebida através de fertilização in vitro.
Mãe sorri para a sua filha, que foi concebida através de fertilização in vitro. Direitos de autor Catherine Gaschka/AP
De  Verónica Romano
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A doença atinge tanto os países ricos como os pobres, sem grandes variações regionais. ´É então um problema de saúde pública a nível global.

PUBLICIDADE

Cerca de 17,5% da população adulta no mundo sofre ou já sofreu de infertilidade, estima um relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) publicado esta terça-feira. 

A doença atinge tanto os países ricos como os pobres, sem grandes variações regionais. Nos países de alto rendimento, a prevalência da infertilidade é de 17,8% e nos de baixo e médio rendimento, é de 16,5%. Conclui-se então que se trata de um grande****problema de saúde pública a nível global.

O relatório revela uma verdade importante: a infertilidade não discrimina.
Tedros Adhanom Ghebreyesus
Diretor-geral da OMS

A OMS revela ainda que na maioria dos países, os tratamentos de fertilidade são em grande parte pagos pelos doentes, o que geralmente representa encargos financeiros devastadores. Nos países mais pobres, as pessoas gastam uma maior proporção do seu rendimento em tratamentos de fertilidade do que nos países mais ricos.

Pascale Allotey, diretora do Departamento de Saúde Sexual e Reprodutiva e Investigação da OMS, acredita que "melhores políticas e financiamento público podem melhorar significativamente o acesso aos tratamentos e proteger as famílias mais pobres".

A infertilidade é a doença do sistema reprodutor masculino ou feminino que se traduz na incapacidade de conseguir uma gravidez após um ano ou mais de relações sexuais desprotegidas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Projeto inovador estuda infertilidade dos europeus

ibuprofeno pode causar infertilidade masculina

Louise Brown, primeiro bebé-proveta do mundo: "Todas as mulheres europeias deveria ter acesso à Procriação Medicamente Assistida"