Porque é que o Sul Global é um decisor e o que pode a Europa fazer

Boneco insuflável de Carnaval representa o chanceler alemão Olaf Scholz nos tentáculos do líder chinês Xi Jinping
Boneco insuflável de Carnaval representa o chanceler alemão Olaf Scholz nos tentáculos do líder chinês Xi Jinping Direitos de autor Martin Meissner/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Nova ordem mundial: Porque é que o Sul Global é um decisor e o que pode a Europa fazer

PUBLICIDADE

A Europa e os Estados Unidos estão numa espécie de bolha, acreditando firmemente que a invasão em larga escala da Ucrânia é uma guerra mundial. No entanto, dois terços da população mundial vivem em países que não condenaram activamente a Rússia.

De facto, os países do Sul Global são mais propensos a apoiar a Rússia do que a Ucrânia. O antigo primeiro-ministro finlandês, Alexander Stubb, chama-lhe "toque de despertar": 40 países impuseram sanções a Moscovo, "Zero países de África". Zero países da América Latina. E apenas dois ou três países da Ásia", acrescentou o Director da Escola de Governação Transnacional.

Na semana passada, Moscovo, à margem da sua política externa, identificou a China e a Índia como parceiros-chave e anunciou planos para expandir os laços com a África e a América Latina.

Então, como apoiantes da Ucrânia, estarão os EUA e a Europa a arriscar mais do que a derrota no campo de batalha? O resultado da guerra da Rússia irá determinar uma nova ordem mundial?

Estará o sistema liberal, baseado em normas do Ocidente Global a atingir os seus limites e a ser substituído por um sistema estático e autoritário como os defendidos pela China e pela Rússia no Oriente Global?

Qual é a posição do Sul Global em relação à guerra na Ucrânia?

No Sul Global, há pouca sensação de ser afectado pela situação, "Os países da América Latina dizem não, esta não é a nossa guerra", explica Christopher Sabatini, Senior Fellow for Latin America na Chatham House. As esperanças no Ocidente de que poderiam enviar armas para a Ucrânia foram rapidamente rejeitadas pelos países latino-americanos.

Ao mesmo tempo, a aliança entre a Rússia e a China está a fortalecer-se, sobretudo devido à viagem do Presidente chinês Xi Jinping a Moscovo - poucos dias depois de o Tribunal Penal Internacional ter emitido mandados de captura contra o Presidente russo Vladimir Putin por crimes de guerra - sugerindo que a China não é neutra na guerra.

Mas é também uma questão de emoção, relacionada com a história de muitos países do Sul Global, explica Alexander Stubb. "Basicamente, apontam o dedo à Europa e aos EUA e dizem: 'Não venham dar-nos lições sobre integridade territorial e soberania'. Vejam o que fizeram durante o colonialismo. Ou, vejam o que aconteceu no Iraque".

O poder está no Sul Global

É considerado improvável que os países do Sul Global se unam para se juntarem ao Ocidente Global ou ao Leste Global. O Sul Global é o "decisor" mas não quer escolher, acredita Stubb.

"Ele oscilará como um pêndulo entre os dois. Eles têm a economia, têm os recursos, e têm o poder de determinar a direcção que o mundo vai tomar", disse Stubb.

Sabatini explica que os países do Sul Global também estão agora a usar a situação como uma oportunidade para afirmar a sua independência face a uma potência americana em declínio a nível global, bem como dentro do Hemisfério Ocidental. "Muitos deles sentem que os Estados Unidos e a Europa Ocidental ignoraram as suas preocupações durante muito tempo".

Por exemplo, vários diplomatas latino-americanos disseram, após a votação da Assembleia Geral da ONU sobre a Rússia, que simplesmente não tinham sido consultados de antemão.

Os EUA têm exortado os países a permanecerem do seu lado, "enquanto oferece muito pouco concretamente em termos de uma alternativa", disse Sabatini.

Por exemplo, a Europa e o Reino Unido não se cobriram propriamente de glória quando se tratou de distribuir vacinas COVID-19, e a exigência de ter em conta as alterações climáticas ao expandir a indústria e a economia foi também alvo de críticas no Sul Global, onde o sucesso económico do Ocidente se baseia na revolução industrial - por outras palavras, basicamente na poluição ambiental, explica Stubb.

A questão é, será que a China consegue manter relações estratégicas com o Sul Global de uma forma que cria uma nova ordem mundial - Beijing-led -?

Como é que a China está a cortejar o Sul Global?

A China tem vindo a oferecer isto há décadas, especialmente sob a forma de investimentos e empréstimos. E são flexíveis em comparação com os do Banco Mundial, e não estão sujeitos a "cordas e condições".

A China é também "um mercado muito atractivo para as mercadorias latino-americanas, e também oferece algo que muitos países latino-americanos realmente carecem, que é investimento em infra-estruturas", explica Sabatini. E países como o Brasil e a Argentina precisam desesperadamente destes.

E, ao mesmo tempo, os valores divergem muito entre países da América Latina, por exemplo, e aqueles que querem remodelar a ordem mundial liberal.

PUBLICIDADE

Para a América Latina, proteger os direitos humanos em geral, os direitos das mulheres, os direitos indígenas, ou os da comunidade LGBTQI+, por exemplo, tornou-se extremamente importante nos últimos anos, disse Sabatini.

"Os governos da América Latina precisam de estar conscientes dos benefícios reais da ordem mundial liberal, que nem sempre tem servido os seus interesses, mas tem sido uma plataforma eficaz para a aplicação dos direitos dos Estados ou a protecção dos direitos humanos através do direito internacional".

O que é que o Ocidente tem para oferecer ao Sul Global?

Para ganhar esta situação, o Ocidente precisa de "uma política externa mais digna", adverte Stubb. Isto implicaria "limitar elevados padrões morais" e tentar "envolver e dar ao Sul Global alguma capacidade de acção".

"Somos demasiado arrogantes, demasiado paternalistas e demasiado moralistas", diz Stubb.

Na verdade, nenhum país do Sul Global é membro permanente do Conselho de Segurança da ONU. Está também mal representado no FMI, internacionalmente poderoso, ou no Banco Mundial. Stubb salienta também que o comércio com países do Sul Global poderia ser expandido.

PUBLICIDADE

O futuro da ordem geopolítica mundial depende assim do Sul Global e da importância que o Ocidente está disposto a dar-lhe - mas também da sua política em relação à China. "As nossas relações com a China estão entre as mais complicadas e importantes do mundo", resumiu Ursula von der Leyen no seu primeiro discurso inteiramente dedicado à China. (https://ec.europa.eu/commission/presscorner/detail/en/speech_23_2063)

"Se o Ocidente quiser manter a ordem liberal e uma ordem separada baseada em normas, terá de ir para a mesa de negociações", disse Stubb.

"O que os chineses querem não é uma ordem liberal, mas talvez alguns elementos de uma ordem mundial normal e baseada em regras. Esse é o equilíbrio que precisamos de encontrar".

Que estão a levar cada vez mais a sério a China e o Sul Global é evidenciado pelos itinerários dos principais políticos na Europa: A Ministra dos Negócios Estrangeiros alemã Annalena Baerbock tem vindo a percorrer os países do hemisfério sul desde que tomou posse, num esforço para os conquistar como parceiros para a Europa e o Ocidente.

A vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, acaba de completar uma viagem a África, e o presidente francês, Macron, acompanha a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, a Pequim no final da semana.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Porque é que tantos países do hemisfério sul apoiam a Rússia e não a Ucrânia?

EUA tentam reconquistar confiança de dirigentes africanos

Seis países africanos constroem corredor económico e digital, da Argélia à Nigéria