EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Que destino para o urso que matou Andrea?

Especialistas dizem que é preciso explicar às pessoas como se devem comportar na presença de ursos
Especialistas dizem que é preciso explicar às pessoas como se devem comportar na presença de ursos Direitos de autor ARMEND NIMANI/AFP or licensors
Direitos de autor ARMEND NIMANI/AFP or licensors
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O corredor italiano Andrea Papi, de 26 anos, foi atacado e morto por um urso em Monte Peller, perto de Trentino, no início do mês. Desde então há um confronto de fações entre os que defendem que o urso apenas seguiu os seus instintos e aqueles que entendem que deve ser abatido.

PUBLICIDADE

O corredor italiano Andrea Papi, de 26 anos, foi atacado e morto por um urso em Monte Peller, perto de Trentino, no início do mês. Desde então há um confronto de fações entre os que defendem que o urso apenas seguiu os seus instintos e aqueles, como o presidente da região de Trentino Alto Adige, Maurizio Fugatti, que já assinou uma portaria para abater três ursos agressivos. E diz que tem 70 para enviar para os ambientalistas que contestam a sua decisão: "Fiquem descansados. Temos 70 para deslocar. Digam-me onde os querem. Vamos abater estes três. Depois, temos mais 70 para vos trazer".

Na sequência de um recurso de ambientalistas, a portaria do presidente da região para matar os ursos foi suspensa pelo tribunal administrativo, mas a questão permanece: o que fazer quando a coexistência homem-urso se torna complicada? Os ursos pardos foram reintroduzidos na região de Trentino em 1999 com o programa Ursus Life co-financiado pela União Europeia. Dez ursos chegaram da Eslovénia e agora são cerca de cem em Trentino. É lógico trabalhar para o repovoamento e depois querer matá-los? O programa Ursus Life funcionou? Para o WWF, o programa foi bem-sucedido, mas mal administrado.

"Era fundamental ter trabalhado durante estes anos em como comunicar às pessoas para se comportarem, mas pouco foi feito pela província e pouco foi feito em termos de conetividade ecológica. Assim, estes ursos que cresceram em número tiveram de expandir-se para fora de Trentino Ocidental", diz Marco Antonelli da WWF Itália.

Segundo os especialistas, bastaria que quem vai para as montanhas estivesse informado sobre como se comportar perante ursos e equipado com spray de gás pimenta para evitar tragédias. A Eslovénia vai abater 200 ursos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Museu italiano recria floresta de borboletas da Tanzânia

Chuvas torrenciais provocam inundações e caos no norte de Itália

Centenas de residentes em Veneza manifestam-se contra “taxa de entrada” para turistas