Estudantes universitários internacionais regressam a Lviv

Estudantes de medicina que voltaram são em grande parte oriundos da Índia
Estudantes de medicina que voltaram são em grande parte oriundos da Índia Direitos de autor ASSOCIATED PRESS Kartikey Tripathi YouTube channel Indian Community
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Grande parte dos alunos partiu no início da guerra

PUBLICIDADE

Na Ucrânia, a Universidade Nacional de Medicina Danylo Halytsky, em Lviv, está a receber novamente estudantes internacionais, grande parte da Índia, em final de curso.

Muitos partiram quando a guerra começou e agora estão a voltar para terminar os estudos.

Desistir significaria, para grande parte, perder os últimos quatro anos de esforço e gastar cerca de 4500 euros por ano em propinas sem obter um diploma.

“Foi uma sensação muito diferente porque pela primeira vez na vida vivenciámos a guerra. Mais do que nós, nossos pais estavam muito preocupados na Índia porque não sabiam exatamente o que estava a acontecer. Estavam todos em pânico", sublinhou Kartikey Tripathi, estudante no quinto e último ano de curso.

A universidade criou refúgios para acolher os estudantes em caso de alarme antiaéreo.

"Quando os estudantes estrangeiros chegaram cuidámos da segurança deles. Organizámos e equipámos os abrigos para que os estudantes possam ir para lá em caso de alarme", lembrou Natalia Chukhrai, vice-reitora.

Na Índia, um curso idêntico seria mais caro. Custaria cerca de 11 mil euros por ano.

"Estamos no quinto ano. Não temos muitas escolhas de ir para outros lugares. Não seríamos aceites, porque no último ano só temos estágio. Não temos tantas aulas. É por esses motivos que estamos aqui", ressalvou Madhur Utkarsh, estudante.

A Universidade Nacional de Medicina Danylo Halytsky acolhe estudantes de mais de 40 países.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ucrânia reclama mais apoio à contraofensiva e Rússia trava ataque em Sebastopol

Protestos dos agricultores na Índia geram confrontos com a polícia

Países Baixos: universidades tomam medidas para limitar número de estudantes estrangeiros