Sudão: Decretadas 72 horas de trégua para fugir ao conflito

Jordanianos retirados do Sudão chegam a um aeroporto militar em Amã, Jordânia, segunda-feira, 24 de Abril de 2023
Jordanianos retirados do Sudão chegam a um aeroporto militar em Amã, Jordânia, segunda-feira, 24 de Abril de 2023 Direitos de autor Raad Adayleh/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Raad Adayleh/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Países prosseguem operações para retirar cidadãos do território africano.

PUBLICIDADE

Uma trégua de 72 horas está a permitir a retirada de centenas de cidadãos estrangeiros do Sudão. O exército sudanês e o grupo paramilitar Forças de Apoio Rápido acordaram baixar as armas, a partir das 0h00 desta terça-feira, para uma pausa de três dias num conflito que está a arrastar o país para uma guerra civil e já fez mais de 400 mortos e cerca de 3.700 feridos.

Sem adiantar números exatos, Josep Borrell, chefe da diplomacia europeia, confirmou a retirada de mais de mil europeus do território. Ou seja, nos últimos dias, terão saído de Cartum dois terços dos cidadãos e diplomatas da União Europeia que estavam no Sudão quando o conflito começou.

Até ao momento, as operações já envolveram cerca de 30 voos realizados por vários países da União Europeia e permitiram a retirada de 21 portugueses. Apenas um cidadão decidiu ficar no país por considerar não correr perigo.

António Guterres, secretário-geral da ONU, revelou esta segunda-feira estar a trabalhar com organizações humanitárias no terreno e, apesar de ter autorizado a deslocação de algum pessoal e famílias, garante que as Nações Unidas não vão abandonar o Sudão

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Vários países retiram os seus cidadãos do Sudão

Alemanha promete milhões em ajuda ao Sudão no aniversário da guerra

Ataque aéreo mata pelo menos 22 pessoas no Sudão