Novas explosões em território russo

A região de Bryansk, na Rússia tem sido alvo de vários ataques, segundo Moscovo
A região de Bryansk, na Rússia tem sido alvo de vários ataques, segundo Moscovo Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Teresa Bizarro com Agências
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Um camião cisterna e um comboio de mercadorias explodiram na noite de terça-feira em território russo. Kiev não comenta

PUBLICIDADE

Uma explosão provocou o descarrilamento de um comboio de mercadorias russo junto à fronteira entre a Rússia e a Ucrânia. Trata-se do segundo incidente do género em dois dias.

Tal como tinha acontecido na segunda-feira, a explosão fez descarrilar a locomotiva e alguns vagões. Não há no entanto noticia de vítimas.

Segundo as auroridades russas, a região fronteiriça de Bryansk tem sido palco de vários alegados atos de sabotagem por parte de activistas pró-ucranianos.

Alegações que se estendem à Crimeia.

Um depósito com combustível incendiou-se na noite de terça-feira em Volna. A localidade fica junto à ponte sobre o estreito de Kerch que liga a Rússia à península ucraniana, ocupada por Moscovo desde 2014.

Numa mensagem publicada nas redes sociais, o governador da região de Krasnodar não fala em ataque, mas diz que "o incêndio foi classificado com o mais alto grau de gravidade".

Kiev não reivindicou a responsabilidade pelas explosões. O governo ucraniano tem no entanto repetido que os preparativos para uma contraofensiva de larga escala estão praticamente concluídos.

Os militares ucranianos prometem também não desistir da cidade de Bakhmut, no leste do país - um bastião da resistência, com cerco russo cada vez mais apertado.

Numa reunião da cúpula militar da Rússia, o ministro da Defesa, Sergei Shoigu, deu conta de avanços significativos no terreno, mas também apelou ao aumento da produção de mísseis, alimentando as especulações de que a Rússia poderá estar a ficar com poucas munições.

Entretanto, o Kremlin rejeitou as avaliações dos EUA de que as forças armadas russas sofreram 100.000 baixas nos últimos cinco meses, incluindo 20.000 mortos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia aborta lançamento do foguetão Angara-A5 a minutos da descolagem

Rússia e Cazaquistão vivem "piores cheias em décadas"

Centenas de russos protestam contra “inércia” das autoridades após inundações