EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Navios russos perto do gasoduto Nord Stream antes das explosões, afirma documentário

Fotografia retirada de um vídeo divulgado pelo Serviço de Imprensa do Ministério da Defesa russo na sexta-feira, 14 de abril de 2023
Fotografia retirada de um vídeo divulgado pelo Serviço de Imprensa do Ministério da Defesa russo na sexta-feira, 14 de abril de 2023 Direitos de autor JONATHAN NACKSTRAND/AFP or licensors
Direitos de autor JONATHAN NACKSTRAND/AFP or licensors
De  Joshua Askew
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O gasoduto que transporta gás da Rússia para a Europa explodiu em Setembro passado. Um documentário afirma que navios russos estavam perto do local antes das explosões do gasoduto Nord Stream.

PUBLICIDADE

Dois gasodutos Nord Stream que transportam gás da Rússia para a Europa, através do Mar Báltico, foram destruídos por explosões submarinas em Setembro passado.

Alguns países ocidentais culparam a Rússia, embora Moscovo negue qualquer envolvimento.

A causa da explosão permanece desconhecida.

No entanto, no último episódio de uma série intitulada Putin's Shadow War, é alegado que houve movimentos suspeitos de navios russos, que podem efectuar operações subaquáticas, perto do local da explosão.

O documentário televisivo, produzido por emissoras nórdicas, não afirma que Moscovo esteve por detrás da explosão, mas questiona a actividade invulgar da sua marinha.

O documentário afirma que os chamados "navios fantasma" russos, incluindo um navio de investigação, um rebocador e um terceiro navio da marinha, estiveram na zona da explosão durante várias horas e, num dos casos, quase um dia inteiro.

Alegadamente, tinham os seus transmissores desligados, embora os radiodifusores afirmem que os seus movimentos ainda podiam ser seguidos através de comunicações de rádio interceptadas.

Um oficial reformado dos serviços secretos navais britânicos, que trabalhava na intercepção da frota russa do Báltico, localizou o seu paradeiro utilizando informações de fonte aberta e comunicações de rádio.

A Rússia acusou o Reino Unido de "dirigir" as explosões do Nord Stream em Outubro - algo que Londres rejeitou e disse ser falso.

Relatórios recentes sugerem que a culpa é de agentes pró-ucranianos, mas não do próprio governo ucraniano.

O documentário faz uma avaliação detalhada do que os navios russos estavam a fazer nos meses que antecederam o incidente.

Acredita-se que um dos navios, o Sibiryakov, seja capaz de efectuar vigilância e cartografia submarina, bem como de lançar um pequeno veículo subaquático.

De acordo com o oficial da Marinha Real, que permaneceu anónimo no documentário, o navio mudou as suas comunicações para um receptor secreto e seguiu uma rota invulgar perto do local onde o oleoduto viria a explodir em Junho.

Um outro navio, o rebocador naval SB-123, terá chegado cinco dias antes das explosões de Setembro.

As suas comunicações via rádio sugerem que permaneceu ali toda a noite, antes de navegar de volta para a Rússia.

Em Abril, a série da DR da Dinamarca, da NRK da Noruega, da SVT da Suécia e da Yle da Finlândia revelou que os navios russos estavam a mapear parques eólicos offshore, gasodutos, cabos de electricidade e de Internet no Mar do Norte para possíveis ataques de sabotagem.

Alguns dos alvos incluíam parques eólicos ao largo da costa da Grã-Bretanha, uma fonte vital da energia do país.

Tanto a Suécia como a Dinamarca afirmam que a explosão, que ocorreu nas suas zonas económicas, foi deliberada, embora não tenham determinado os responsáveis.

PUBLICIDADE

Estão a investigar o incidente, juntamente com a Alemanha.

A fuga de gás resultante da explosão provocou uma enorme quantidade de emissões de gases com efeito de estufa, estimada em 500 toneladas de metano por hora, causador de alterações climáticas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Suécia arquiva investigação às explosões nos gasodutos Nord Stream

UE e Alemanha divergem por causa do Nord Stream 2

Projeto do gasoduto Nord Stream 2 divide Rússia e Europa