Ucrânia acusa Rússia de crime de guerra em Bakhmut e destrói míssil hipersónico

Defesas antiaéreas ucranianas em ação perto de Bakhmut, região de Donetsk
Defesas antiaéreas ucranianas em ação perto de Bakhmut, região de Donetsk Direitos de autor AP Photo/Libkos
Direitos de autor AP Photo/Libkos
De  Francisco Marques
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Do lado russo, o líder do grupo Wagner exige ser substituído pelo checheno Kadirov em Bakhmut e Medvedev promete retaliar atentado contra apoiante do Kremlin

PUBLICIDADE

A Ucrânia acusou este sábado a Rússia de ter atacado Bakhmut com bombas de fósforo branco, o que é considerado crime de guerra se for utilizado contra civis, e divulgou imagens de uma aparente “chuva de fogo” sobre edifícios, que assegura prova-lo.

Antes, as forças armadas ucranianas tinham anunciado ter destruído pela primeira vez um míssil hipersónico russo.

Conseguiram-no através de um sistema de defesa antiaéreo americano Patriot, uma das novidades no arsenal da Ucrânia para travar a invasão russa e ajudar a lançar a prometida contraofensiva para expulsar as forças ocupantes do respetivo território.

A neutralização do famoso míssil "Khinzal" terá acontecido quinta-feira à noite, durante uma das recentes ofensivas russas de longo alcance contra a capital Kiev.

Do lado russo, o chefe do grupo mercenário Wagner exigiu ao Kremlin, por carta, ser substituído em Bakhmut pelas tropas do líder checheno Ramzan Kadyrov antes da meia noite de quarta-feira, 10 de maio.

Yevgeny Prigozhin pretende abandonar a invasão da Ucrânia devido à longa escassez de munições.

Em território russo, o escritor pró-Kremlin Zakhar Prilepin ficou ferido num alegado atentado e o vice-presidente russo Dmitri Medvedev garantiu que não ficará impune o ataque ao apoiante da invasão na Ucrânia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Zelenskyy quer Rússia no banco dos réus

Ataques russos na Ucrânia fazem pelo menos oito mortos

Pentágono promete envio imediato de armas à Ucrânia, se financiamento for aprovado