Porque é que os jovens na Irlanda e em Itália não conseguem sair de casa dos pais?

Cortesia de Tierra Mallorca
Cortesia de Tierra Mallorca Direitos de autor Unsplash
De  Rebekah Daunt
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Perante o aumento da inflação e a crise do custo de vida, a Euronews investiga as razões pelas quais os jovens têm dificuldade em entrar no mercado imobiliário ou em pagar a renda.

PUBLICIDADE

Sophie é apenas uma entre os 350 000 jovens adultos na República da Irlanda com idades compreendidas entre os 20 e os 35 anos que ainda vivem em casa dos pais. Tal como muitos jovens nascidos no início do século XXIna Irlanda, a executiva de marketing de 28 anos originária de Galway está excluída do mercado da habitação.

Este problema não é exclusivo da Irlanda. De acordo com o Eurostat, cerca de 67% das pessoas (entre os 16 e os 29 anos de idade) na Europa vivem em casa dos pais ou de familiares, mas para alguns, esta não é uma escolha.

É muito frustrante, tenho um mestrado, um bom salário e, tal como muitos dos meus amigos, estou a poupar para comprar uma casa", diz a irlandesa de Galway à Euronews.

"Mas tive de voltar a viver com os meus pais porque estava a ter dificuldades em poupar dinheiro, quanto mais em pagar a renda, e mesmo agora vou demorar uma eternidade a conseguir juntar um depósito", afirma.

A acessibilidade económica é uma questão importante, como explicou Ciarán Lynch, antigo membro do Parlamento irlandês: "Os preços das casas nunca foram tão caros e as taxas de juro estão a subir cada vez mais para as pessoas que entram no mercado da habitação.

Os preços das casas nunca foram tão caros e as taxas de juro estão a subir cada vez mais para as pessoas que entram no mercado da habitação
Ciarán Lynch
Antigo membro do Parlamento irlandês

"São quase tão próximos dos valores de há dois anos, quando as taxas de juro eram determinadas pelo Banco Central Europeu".

A questão do crédito hipotecário

Tendo em conta que os preços das casas na Irlanda são, em média, 94% superiores aos da UE, o dilema de Sophie não é surpreendente.

Para serem elegíveis para um empréstimo hipotecário na Irlanda, quem compra pela primeira vez está limitado a um empréstimo até quatro vezes o rendimento anual bruto, e uma hipoteca futura está também limitada a 90% do valor da propriedade.

No entanto, os preços das casas em todo o país aumentaram 537% desde 1988 e não estão alinhados  com os rendimentos atuais.

De acordo com o gigante das soluções de recrutamento Morgan McKinley, os profissionais na Irlanda auferem um salário médio de 45 000 euros. No entanto, o Gabinete Central de Estatísticas irlandês (CSO) revelou recentemente que o preço médio das casas irlandesas atingiu um recorde de 359 000 euros.

Assim, para os compradores da primeira habitação com um salário de 45 000 euros, o montante máximo que podem pedir emprestado é de 180 000 euros, o que corresponde a pouco mais de metade do preço médio da casa.

Irlanda vs Itália

Os preços das casas e das rendas variam entre os Estados-Membro da UE. De facto, em alguns países da UE, os preços das casas baixaram nos últimos anos. A Itália, por exemplo, registou um boom até ao crash financeiro de 2008 e, em seguida, o preço dos imóveis baixou constantemente. De acordo com o Eurostat, os preços eram mais baratos em 2022 do que em 2010.

Embora as rendas tenham aumentado em Itália, as diferenças são marginais em comparação com a Estónia, a Lituânia ou a Irlanda, onde a renda média mensal era de 1 733 euros em Dezembro de 2022, ou seja, 126% mais elevada do que em 2011.

Se os preços das casas italianas são mais atraentes para os potenciais compradores, será que isso se traduz em níveis mais elevados de propriedade imobiliária entre os jovens adultos? Pelo contrário, uma percentagem mais elevada de jovens adultos vive em casa dos pais em Itália do que na Irlanda.

Quais são os factores subjacentes a esta tendência em ambos os países?

A falta de oferta na Irlanda

Embora os salários médios brutos na Irlanda sejam consideravelmente mais elevados do que em Itália,
as casas disponíveis também são poucas e distantes na Ilha Esmeralda.

"Em 2010, tínhamos 24 000 imóveis para arrendamento anunciados no Daft (o principal site imobiliário irlandês, Ed.) em qualquer dia desse ano, comparando com os números recentes, em que tínhamos apenas 700 imóveis disponíveis em todo o país", afirmou Mark Rose, diretor-geral da Rose Properties.

"Precisamos que milhares de propriedades para arrendamento sejam colocadas no mercado hoje, amanhã ou o mais rapidamente possível, pois são urgentemente necessárias", acrescentou Rose.

PUBLICIDADE
Precisamos que milhares de propriedades para arrendamento sejam colocadas no mercado hoje, amanhã ou o mais rapidamente possível, pois são urgentemente necessárias
Mark Rose
Rose Properties, República da Irlanda

O número limitado de imóveis está a levar ao aumento da procura e a colocar uma grande pressão sobre as rendas e os potenciais compradores, como afirmou à Euronews o director-geral da Dennehy Auctioneers, em Cork: "O mercado de arrendamento na Irlanda é completamente disfuncional. Há duas semanas, colocámos uma casa para arrendar às 12h55 e às 13h20 já tínhamos 90 e-mails (pedidos de informação, Ed.)".

"Precisamos de milhares de apartamentos nas cidades para fazer face à procura, no entanto, a Irlanda é vítima do seu próprio sucesso, muitas pessoas querem vir viver e trabalhar para este país e são atraídas pelo estilo de vida, mas a nossa população também está a crescer e não conseguimos acompanhar", afirmou Dennehy.

O Instituto Central de Estatística estimou que a população da Irlanda aumentou 88 800 pessoas entre Abril de 2021 e Abril de 2022, o maior aumento da população em 12 meses desde 2008. Isto deve-se, em grande parte, a um aumento de 445% na migração e, de acordo com Dennehy, o investimento direto estrangeiro faz parte desta tendência: "Noventa por cento dos pedidos de informação que estou atualmente a receber para um novo empreendimento habitacional em Carrigaline (uma cidade nos subúrbios de Cork) são de estrangeiros, e noventa por cento desses novamente não são da UE".

"Os profissionais que vêm para cá têm bons empregos, são bem pagos e adoram este país".

Mas o ex-deputado Lynch, que presidiu à Comissão de Finanças, Despesas Públicas e Reforma em Outubro de 2012, disse que os estrangeiros com dinheiro para gastar também estão a ter problemas:
"O investimento direto estrangeiro é uma parte muito, muito significativa do modelo económico irlandês. E a criação de emprego tornou-se um problema, porque não é que os empregos não existam, mas as casas não existem de facto para os empregados quando conseguem esses empregos".

PUBLICIDADE

O caso italiano

"Os imóveis podem ser mais baratos em Itália, mas o problema reside na estagnação do mercado de trabalho", afirma Mimmo Parisi, professor de sociologia da Universidade do Mississippi.

Todos procuram o emprego de sonho em Itália e os profissionais não se deslocam muito.
Quando encontram um emprego de sonho, ficam, muitas vezes para sempre. Consequentemente, há menos ofertas de emprego e é difícil para os jovens adultos entrarem no mercado de trabalho".

O elevado desemprego dos jovens em Itália é um factor importante. De acordo com o instituto nacional de estatística italiano, ISTAT, a taxa de desemprego (para os jovens com idades compreendidas entre os 15 e os 24 anos) era de 22,9% em Janeiro de 2023, quase oito pontos mais elevada do que a média da UE de 15,1%, o que significa que os jovens italianos são menos independentes em termos financeiros.

De acordo com o instituto nacional de estatística italiano, ISTAT, a taxa de desemprego (para os jovens com idades compreendidas entre os 15 e os 24 anos) era de 22,9% em Janeiro de 2023, quase oito pontos mais elevada do que a média da UE de 15,1%
Euronews

"Se juntarmos a isto os contratos de trabalho duvidosos, o crescimento lento dos salários e os baixos salários, é fácil perceber porque é que os jovens italianos ficam em casa, apesar da queda nos preços das casas. Além disso, é difícil para os licenciados obterem experiência profissional relevante a curto prazo, quando o mercado de trabalho favorece o envelhecimento da população ativa", explicou Parisi.

De acordo com a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE), a Itália é o único país europeu onde os salários diminuíram entre 1990 e 2020. Todos os outros Estados-Membros registaram um aumento, com a Lituânia a liderar, com um aumento de 276,3%.

PUBLICIDADE

"Muitos estudantes permanecem na universidade durante mais algum tempo quando estão à procura do emprego de sonho, que, como sabemos, é difícil de encontrar. Isto obriga os jovens adultos a dependerem mais dos pais até que isso aconteça", afirma Parisi.

Para agravar a situação dos jovens, um banco italiano não aprova uma hipoteca sem um contrato de trabalho permanente, também conhecido como "il contratto a tempo indeterminato", o que cria obstáculos adicionais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

A crise da habitação na Polónia

UE oferece 35 mil passes ferroviários aos jovens

Morreu o estilista Roberto Cavalli aos 83 anos