Itália à procura de soluções para a crise de natalidade

Papa Francisco (centro) com a PM italiana Giorgia Meloni (esq.) e o organizador do evento, Gigi de Palo (dir.)
Papa Francisco (centro) com a PM italiana Giorgia Meloni (esq.) e o organizador do evento, Gigi de Palo (dir.) Direitos de autor Alessandra Tarantino/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Papa Francisco e primeira-ministra Giorgia Meloni participam em evento no qual se discutiram formas de combater a crise demográfica que o país atravessa

PUBLICIDADE

O Papa Francisco partilhou o palco com primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, para discutir medidas de aumento da taxa de natalidade em Itália.

A ocasião foi uma reunião de dois dias que juntou especialistas e responsáveis políticos.

A Itália tem tido uma das taxas de natalidade mais baixas da UE e o país está a envelhecer a um ritmo muito mais acelerado do que outros países europeus.

A questão conta-se entre as prioridades do programa político de Giorgia Meloni, mas o organizador do evento à Euronews que a crise de natalidade em Itália é uma emergência nacional e uma questão interpartidária.

"Não deveria haver uma maioria política e uma oposição quando se trata de discutir esta questão. É uma questão transversal, dos bancos às empresas e, mais uma vez, do mundo do entretenimento aos meios de comunicação social, pelo que todas as forças políticas devem juntar-se à discussão, porque os governos mudam mas o problema mantém-se. O nosso objetivo é gerar um debate nacional sobre esta questão, em que todos possam contribuir", afirma Gigi De Palo, Diretor da Fundação para a Natalidade.

Não deveria haver uma maioria política e uma oposição quando se trata de discutir esta questão. É uma questão transversal
Gigi de Palo
Diretor da Fundação para a Natalidade

Os números não são animadores. Em 2022, o número de nascimentos caiu para um novo mínimo histórico, abaixo dos 400 mil, e o país registou mais de 12 mortes por cada sete nascimentos.

O governo de direita de Meloni criou o Ministério da Família e da Natalidade. A redução dos impostos sobre as vendas de produtos de puericultura e o aumento dos abonos de família são algumas das propostas que o novo governo incluiu no orçamento para 2023.

Os especialistas alertam que, para inverter a tendência, é preciso atingir 500 mil recém-nascidos por ano até ao final de 2033.

"Tivemos a oportunidade de discutir o assunto com toda a gente. Todos os partidos políticos foram envolvidos nas discussões. Todos se comprometeram a trabalhar em conjunto da melhor forma possível e congratulamo-nos com isso. Desde que o nosso governo tomou posse, há 6 meses, temos feito tudo o que está ao nosso alcance para promover mais políticas sociais que ajudem a aumentar a taxa de natalidade do país e atribuímos mais fundos para o efeito. Esta foi sempre a prioridade dos Irmãos de Itália", defende Francesco Lollobrigida, Ministro italiano da Agricultura.

Desde que o nosso governo tomou posse, há 6 meses, temos feito tudo o que está ao nosso alcance para promover mais políticas sociais que ajudem a aumentar a taxa de natalidade
Francesco Lollobrigida
Ministro italiano da Agricultura

A correspondente da Euronews Giorgia Orlandi acrescenta:

"Uma população ativa cada vez mais reduzida, o que significa que será difícil arranjar empregados, mas também problemas para manter os sistemas de pensões e de saúde, são algumas das consequências da crise demográfica em Itália. Nos discursos, tanto a primeira-ministra Giorgia Meloni como o Papa Francisco insistiram no facto de que as crise são necessárias para transformar desafios em oportunidades".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Imobiliário é sonho adiado para muitos jovens na Irlanda e Itália

Mudar para uma das mais belas aldeias italianas e receber 5 mil euros

Família italiana libertada após quase dois anos em cativeiro no Mali