Lukashenko aparece fragilizado nas últimas imagens da televisão pública bielorrussa

Alexander Lukashenko, presidente da Bielorrússia
Alexander Lukashenko, presidente da Bielorrússia Direitos de autor AP/Belarus' Presidential Press Office
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As últimas imagens divulgadas pelos media públicos da Bielorrússia mostram o "último ditador da Europa" fragilizado, sem fôlego e com uma ligadura na mão esquerda.

PUBLICIDADE

O líder bielorrusso, Alexander Lukashenko, apareceu em público pela primeira vez em vários dias.

As autoridades divulgaram fotografias e um vídeo do líder autoritário, numa tentativa de pôr termo às especulações sobre o seu estado de saúde.

As imagens mostram Lukashenko a visitar um ponto de controlo do exército, mas o governante aparece sem fôlego, confirmando os rumores de problemas de saúde.

Os membros da oposição bielorrussa, que vivem no exílio na Lituânia, dizem que devem ser feitos planos para uma era pós-Lukashenko

A líder da oposição, Sviatlana Tsikhanouskaya, afirma: "Não sabemos muitas informações sobre o seu estado de saúde, mas penso que é muito raro ele não aparecer em público durante um período de tempo tão longo. Por isso, agora estamos a discutir o plano, o que fazer se algo de errado lhe acontecer. Porque seria o caos no regime e seria o momento em que poderíamos iniciar ações mais decisivas dentro da Bielorrússia".

Alexander Dabravolski, conselheiro sénior da oposição, refere: "A nossa tarefa é preparar novas eleições. Para tornar a nossa economia mais ou menos estável neste período..."

Alexander Lukashenko, de 68 anos, referido como o último ditador da Europa, governa a Bielorrússia desde 1994. O seu regime tornou-se ainda mais repressivo após os protestos em massa de 2020, obrigando os ativistas a abandonar o país.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bielorrússia: Jornalista consenado a 8 anos de prisão por oposição a Lukashenkod

Lukashenko justifica exercícios militares com "aumento das ameaças"

Opositora de Lukashenko nos cuidados intensivos