ONU exorta Estados a cumprirem compromissos de proteção dos civis

2022 registou 100 milhões de refugiados, segundo a ONU
2022 registou 100 milhões de refugiados, segundo a ONU Direitos de autor AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Secretário-Geral da ONU, António Guterres, exorta ao cumprimento dos compromissos assumidos anteriormente de proteção de civis em zonas de conflito

PUBLICIDADE

Em 2022, mais de 100 milhões de pessoas em todo o mundo foram classificadas como refugiados.

Estas pessoas foram forçadas a abandonar as suas casas principalmente devido a conflitos, violência, violações dos direitos humanos ou perseguições.

De acordo com o chefe da ONU, "a terrível verdade é que o mundo não está a cumprir os compromissos de proteção dos civis, compromissos consagrados no direito internacional humanitário", disse.

Na ONU, o Conselho de Segurança está a debater um relatório sobre a proteção dos civis em zonas de combate e exorta os membros a influenciarem as partes beligerantes a respeitarem as regras da guerra.

Exorto todos os Estados a aderirem e a transformarem a declaração em ações significativas
António Guterres
Secretário-Geral da ONU

"Em Novembro passado, os Estados adotaram uma declaração política para proteger os civis, restringindo ou abstendo-se de utilizar armas explosivas em zonas povoadas. Exorto todos os Estados a aderirem e a transformarem a declaração em ações significativas. E, em Dezembro, o Conselho de Segurança adoptou a resolução 2664 que visa impedir que as sanções das Nações Unidas prejudiquem os civis e obstruam a ação humanitária. Exorto todos os Estados a aplicarem-na e a excluírem as atividades humanitárias e médicas das suas próprias medidas de combate ao terrorismo e de sanções", exortou o Secretário-Geral da ONU, António Guterres.

A resolução contra a utilização da fome como arma de guerra e a proibição de ataques a trabalhadores de emergência são algumas das medidas que estão a ser debatidas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Papa agradece acolhimento de refugiados ucranianos na Hungria

UE dá nota positiva ao esforço de proteção para refugiados ucranianos

Refugiados sírios enfrentam escolha entre a catástrofe e a guerra