EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Projetos de sustentabilidade ganham tração no Catar

Projetos de sustentabilidade ganham tração no Catar
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Euronews
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Há cada vez mais iniciativas e pessoas conscientes da importância de proteger o ambiente

PUBLICIDADE

"Quem guarda sempre tem." "O lixo de uma pessoa é o tesouro de outra." Estes são alguns provérbios que mostram como cuidar do meio ambiente através de uma vida sustentável não é um conceito novo. Na verdade, é algo que vem sendo transmitido ao longo de gerações, transcendendo cultura e etnia.

Neste último episódio do Qatar 365, descobrimos algumas iniciativas que estão a acontecer no Catar, inclusive durante o Ramadão, o mês sagrado muçulmano que começou em março deste ano.

Cidade da Educação: combate ao desperdício de alimentos

À medida que o sol se põe na Cidade da Educação de Doha, 1500 pessoas juntam-se numa tenda para quebrar o jejum em conjunto - com um toque ecológico.

Participam de um iftar, a refeição rápida da noite que quebra o jejum no Ramadão, agora mais especial porque tem como objetivo "o desperdício zero", explicou, em entrevista à Euronews, Simon Jones, especialista em engagement e ativação na Fundação do Catar.

"Não haverá desperdício neste evento e também não haverá desperdício de embalagens. Durante todo o ciclo, as embalagens são compostáveis e biodegradáveis e todo o excesso de resíduos de comida vai para um depósito separado e será usado para compostagem. Mais tarde, haverá aproveitamento para embelezar a paisagem à volta da Cidade da Educação", acrescentou Jones.

Euronews
Simon Jones, especialista em engagement e ativação na Fundação do Catar.Euronews

Além do tempo pessoal para reflexão durante o Ramadão, há também um importante processo de construção da comunidade, em que os muçulmanos literalmente partem o pão juntos.

Num Iftar de Resíduos Zero na Cidade da Educação, é preciso haver um esforço comunitário para garantir que todos os materiais alimentares sejam compostados e reciclados, reduzindo a pegada de carbono da comunidade.

"Assim que as pessoas terminam a refeição, levantam-se, saem e há dois baldes do lixo separados. Um é para o lixo seco, as embalagens da comida. O outro é para a comida que sobrou", referiu Simon Jones, ressalvando que "os restos de comida serão recolhidos e levados, depois para uma máquina de compostagem. O lixo é tratado durante 24 horas e depois deixado em repouso durante 14 dias. Depois disso, é transformado em composto."

O nosso ambiente é a nossa casa, o nosso modo de vida e o núcleo da nossa existência.
Ali Taleb Al Henzab
Ativista ambiental

O iftar zero resíduos é uma das muitas iniciativas verdes a acontecer na cidade.

Aisha Al Maadeed acredita que pequenos gestos como este, feitos por muitas pessoas, podem ter um grande impacto. Em 2018 fundou a iniciativa juvenil catari “Futuro mais Verde”, incentivando as pessoas a colocar em primeiro lugar o planeta.

"Transferimos plástico e papéis reciclados para uma peça de arte, para mostrar às crianças que podemos reutilizar as nossas coisas - em vez de as atirar para o lixo - para reciclá-las", sublinhou Aisha Al Maadeed.

Euronews
Aisha Al Maadeed, fundadora da iniciativa "Futuro mais Verde" fala a Aadel Haleem da EuronewsEuronews

"Envia a mensagem de que é preciso cuidar do meio ambiente e espalhar essa consciência. Mas não julgando as pessoas. Serve para explicar porque é que é importante: porque é o nosso meio ambiente e o nosso planeta. Não temos outro planeta, não há um planeta B."

Proteger o planeta é um dos principais objetivos dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, adotados em 2015. Para atingir esses objetivos localmente, Oweis Al Salahi ajudou a lançar a única Iniciativa de Boas Práticas da ONU liderada por jovens no Golfo, a SDGeneration Network.

"Começou em 2019 como uma plataforma juvenil orientada para os jovens, para amplificar a voz dos que querem realmente promover mudanças", explicou.

"Tudo começa com a consciência dos objetivos. Tudo começa sabendo qual é o problema, sabendo como podemos trazer soluções para cima da mesa. Ter os jovens à mesa é algo em que acredito firmemente. E, claro, colaborar e alinhar com os mesmos objetivos é, obviamente, um grande primeiro passo para o desenvolvimento sustentável."

Euronews
Oweis Al-Salahi, Fundador, SDGeneration NetworkEuronews

De volta à tenda do Ramadão, a meta de desperdício zero ainda é um trabalho em andamento, mas os líderes comunitários comprometeram-se a proteger o planeta.

"Há um hádice que diz que ninguém realmente acredita até que ame e queira para o seu irmão ou irmã o que ama e quer para si mesmo. Então, assim como podemos querer água, querer uma refeição, temos de pensar que pessoa atrás ou ao lado também pode querer", explicou Sulaiman Timbo Bah, Coordenador de Engagement e Extensão na Mesquita da Cidade da Educação.

"Penso que é isso que estamos a tentar ajudar as pessoas a lembrar com este exercício de ser sustentáveis quando comem, não desperdiçando e acabando o que têm."

PUBLICIDADE
Euronews
Iftar comunitário na mesquita da Cidade da Educação, Fundação do CatarEuronews

Sulaiman Bah ajudou a organizar o iftar comunitário. Diz que é um pilar de fé.

"Desde que pensemos nos outros, penso que só tiramos o que precisamos. Existem muitos versículos no Corão que dizem 'kulu washrabu' - coma e beba. Isto é tudo o que se precisa, mas sem desperdício."

Viver em harmonia com a natureza

A ideia de tirar apenas o que precisamos do meio ambiente sem prejudicá-lo tem raízes muito profundas no Islão. É por isso que um ativista ambiental beduíno está a pedir a cada pessoa no Catar que plante ou preserve uma árvore.

Ali Taleb Al Henzab é dono de uma quinta a cerca de uma hora a oeste de Doha. Acredita que o conhecimento indígena pode ser usado para proteger o planeta.

"Olhamos para as plantas como fábricas de oxigénio. O nosso gado estaria em perigo sem vegetação", disse à Euronews. "Hoje, cultivamos uma variedade de plantas e árvores para garantir um seguro para o gado. Um seguro face ao clima e purificação do ar."

PUBLICIDADE

"As pessoas que vão para o deserto não devem prejudicar o meio ambiente ou ser inimigas do meio ambiente. Devemos deixar o local como estava. Em segundo lugar, plantamos as plantas no solo com base na sua origem. As plantas das montanhas pertencem às montanhas, as plantas do deserto pertencem ao deserto e assim por diante. Em terceiro lugar, selecionamos as árvores durante a estação agrícola considerando as posições das estrelas e as áreas com chuva. Esta abordagem reduz a quantidade de atenção e cuidado que precisam", acrescentou.

Euronews
Ali Taleb Al Henzab, Ativista AmbientalEuronews

Ali Taleb Al Henzab aprendeu muitas técnicas com o pai e o avô, que também lhe ensinou a importância de viver em harmonia com a natureza.

"Vivi toda a minha vida com meu avô, que considero uma escola em movimento. Ele ensinou-me muitas coisas. A primeira coisa que aprendi foi que o nosso ambiente natural é o nosso lar, o nosso modo de vida e o núcleo da nossa existência. Então, tanto quanto podíamos, tínhamos de manter o abastecimento original de água e o próprio lençol freático e preservar as árvores, sem necessariamente ter de derrubá-las. Tirávamos da terra o que precisávamos e deixávamos o resto para as gerações futuras, que é exatamente o que a sustentabilidade implica. Fazíamos isso instintivamente."

"Os jovens de hoje são o centro da existência. Eles são a nossa geração futura e a força de trabalho. Hoje, os jovens estão por toda parte. É fundamental esclarecer que o ambiente lhes pertence e às futuras gerações. Quando os nossos filhos enfrentarem desafios ambientais no futuro, pode não haver soluções imediatas disponíveis. Por isso, tenho uma mensagem para todos no mundo: plantem árvores. Seja à beira do rio, nos campos floridos ou mesmo nos telhados. Plantar árvores é essencial porque a nossa vida está ligada a elas."

Largar os plásticos em nome do planeta

Os plásticos de uso único e os resíduos de embalagens são os maiores culpados pelos milhões de toneladas de lixo que acabam nos oceanos e aterros sanitários de todo o mundo. A solução para cortar isso é bastante simples - mudar para opções ecológicas ou biodegradáveis. No Catar, mais empresas estão a encontrar formas de descartar os plásticos de vez.

PUBLICIDADE

A start-up catari Enavra faz talheres biodegradáveis a partir de compostagem e resíduos alimentares. A ideia começou em 2019, quando os co-fundadores Saoud Al Emadi e Abdullah Shaat ainda eram estudantes de engenharia.

"Fomos a alguns cafés que tinham palhas de cartão e era muito difícil de beber", referiu Saoud Al Emadi. "Propusemos a ideia de fornecer um bom substituto ecológico aos proprietários, e eles ficaram muito interessados."

Depois de testar diferentes materiais, o momento "eureka" de Saoud e Abdullah surgiu quando os dois descobriram que as sementes de abacate demoram muito menos tempo do que as outras para se decompor naturalmente. Os jovens empreendedores tiveram uma ideia.

"As sementes de abacate são um dos principais resíduos com o componente fundamental que as torna um bioplástico que também é compostável e biodegradável, acrescentou Emadi.

Euronews
Saoud Al Emadi, Co-fundador, EnavraEuronews

Até ao momento o negócio está a dar frutos. Da fábrica, os talheres biodegradáveis da Enavra seguem para cafés e restaurantes em todo o Catar. E à medida que mais empresas mudam para abandonar os plásticos descartáveis, a decisão de fazer parceria com a Enavra é óbvia para os empresários.

PUBLICIDADE

"Ao mudar para os produtos Enavra, está-se a escolher um produto ecológico de alta qualidade que é biodegradável no espaço de um ano. Assim contribui-se para salvar o meio ambiente e reduzir o desperdício de plástico", insistiu Abdullah Shaat.

Além disso, está-se a escolher um produto com preços muito competitivos em comparação com o restante dos produtos ecológicos.

Do reaproveitamento à reutilização

Em outra parte de Doha, Victoria Hamade está ocupada a lidar com pedidos do seu negócio ecológico, Refill2Save.

A start-up incentiva as pessoas a reutilizar garrafas de plástico, recarregando-as com produtos de limpeza, que vende. De sabão para as mãos ao sabão em pó, passando por detergentes para limpar o chão, Victoria facilita a vida dos clientes, fazendo-lhes chegar os produtos.

"Porque queremos ser móveis, queremos estar disponíveis não apenas em Doha, mas também em outros municípios próximos. É importante ser conveniente para os nossos clientes porque estamos a pedir-lhes que mudem a sua mentalidade", referiu.

PUBLICIDADE
Euronews
Victoria Marie Domini Hamade, Fundadora, Refill2SaveEuronews

Estacionou a estação de recarga móvel na Academia Awsaj, da Fundação do Catar, onde alunos e professores trouxeram as próprias garrafas plásticas vazias para reabastecer com o produto de limpeza da sua escolha.

Para a escola, fazer parceria com Victoria também é uma forma de educar os alunos e de incutir pequenos hábitos ecológicos desde pequenos. Educar os jovens também é uma grande parte da missão de Victoria, esperando trazer a sociedade de volta a uma época em que se consumia menos.

"O que realmente quero alcançar aqui é fazer com que as pessoas voltem à cultura de reutilização, porque há décadas atrás, era isso que costumávamos fazer. Reutilizávamos as garrafas de vidro para leite e outros consumíveis. Depois veio a cultura de deitar fora que se tornou predominante. Quero que voltemos a reutilizar", concluiu.

Partilhe esta notícia