EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Londres e Washington renovam parceria económica com a assinatura da "Declaração do Atlântico"

O primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, à esquerda, e o presidente dos EUA, Joe Biden, à direita, apertam as mãos durante a reunião bilateral na Casa Branca, Washington,.
O primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, à esquerda, e o presidente dos EUA, Joe Biden, à direita, apertam as mãos durante a reunião bilateral na Casa Branca, Washington,. Direitos de autor Niall Carson/AP
Direitos de autor Niall Carson/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Presidente dos EUA, Joe Biden, e o primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, assinaram um acordo que renova a parceria económica entre Londres e Washington para fazer frente à Rússia e China

PUBLICIDADE

Reunidos nos EUA, o Presidente norte-americano, Joe Biden, e o primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, lançaram uma nova e mais estreita parceria naindústria da defesa, na energia nuclear civil e no fornecimento de metais essenciais para a transição energética.

O acordo tem como objetivo fazer frente à China e à Rússia.

"Países como a China e a Rússia estão dispostos a manipular e a explorar a nossa abertura, a roubar a nossa propriedade intelectual, a utilizar a tecnologia para fins autoritários ou a retirar recursos cruciais como a energia. Não serão bem sucedidos. Hoje, acordámos a 'Declaração do Atlântico', uma nova parceria económica para uma nova era, de um tipo que nunca foi acordado antes," declarou o primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak.

Apesar da importância da "Declaração do Atlântico", o texto está longe de ser o acordo de comércio livre que o Reino Unido tem vindo a defender desde que saiu da União Europeia em 2020.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

APEC: Tratado Transpacífico de comércio livre continua

Trump começa a desmantelar legado de Obama no comércio livre

Theresa May quer que Reino Unido seja "líder mundial do comércio livre"