EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Chefe da Agência Nuclear das Nações Unidas de visita a central de Zaporíjia

Central nuclear de Zaporíjia é zona de alta tensão entra a Rússia e a Ucrânia.
Central nuclear de Zaporíjia é zona de alta tensão entra a Rússia e a Ucrânia. Direitos de autor AP/Copyright 2022 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor AP/Copyright 2022 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Rafael Grossi deslocou-se ao local para avaliar a situação após a destruição da barragem de Kakhovka.

PUBLICIDADE

"Grave, mas a estabilizar.” Foi esta a avaliação que Rafael Grossi fez da situação na central nuclear de Zaporíjia.

O chefe da Agência Internacional da Energia Atómica (AIEA) chegou, esta quinta-feira, ao local. As preocupações com a segurança no terreno aumentaram com a recente destruição da barragem de Kakhovka e o aumento dos combates na região.

Zaporíjia é um ponto central dos contra-ataques ucranianos.

Os comandantes militares dizem que sete aldeias foram recentemente libertadas, mas que os combates na região têm sido ferozes.

"O inimigo está a oferecer forte resistência. As Forças Armadas da Ucrânia deparam-se com campos minados, com o uso de drones kamikaze, com bombardeios intensos. O inimigo não entrega simplesmente suas posições”, explicou Ganna Malyar, vice-ministra da Defesa ucraniana.

A Ucrânia tem pressionado os aliados da NATO para fornecer caças para apoiar a contra-ofensiva e recebeu, entretanto, um impulso significativo.

“Conseguimos o compromisso dos nossos parceiros de que os cursos de treino começarão e que construíremos juntos o consórcio de caças. Começou com os F-16, com os Países Baixos e a Dinamarca. Os líderes e outros países juntar-se-ão, explicou Oleksiy Reznikov, ministro da Defesa da Ucrânia

A Rússia respondeu ao ataque da linha de frente com ataques de mísseis dentro da Ucrânia.

Kryvy Rih e a cidade de Kherson foram alvo dos últimos ataques, causando várias baixas.

A Rússia diz que está a atingir locais de infraestrutura militar, mas Kiev insiste que são áreas civis.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ataque russo com mísseis faz seis mortos em subúrbio de Kharkiv

Civis eslovacos já doaram mais de 4 milhões de euros à Ucrânia para aquisição de munições

Controversa lei de mobilização entra em vigor na Ucrânia