EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Racismo e violência: governo finlandês afetado por novo escândalo na véspera da visita de Biden

O novo primeiro-ministro da Finlândia, Petteri Orpo (à direita), e a sua nova ministra das Finanças, Riikka Purra, dão uma conferência de imprensa em Helsínquia, Finlândia, a 20 de junho de 2023
O novo primeiro-ministro da Finlândia, Petteri Orpo (à direita), e a sua nova ministra das Finanças, Riikka Purra, dão uma conferência de imprensa em Helsínquia, Finlândia, a 20 de junho de 2023 Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  David Mac Dougall
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Comentários inflamatórios publicados num blogue há 15 anos foram associados à líder do Partido Finlandês de extrema-direita e atual ministra das Finanças, Riikka Purra, que não o negou.

PUBLICIDADE

O governo de direita da Finlândia está a enfrentar mais uma crise depois de terem reaparecido comentários antigos de um blogue de extrema-direita, alegadamente escritos pela líder do Partido Finlandês, Riikka Purra.

O autor das mensagens escreve comentários anti-islâmicos e violentos, entre outros, e deprecia os imigrantes, incluindo os somalis e os que classifica como "macacos turcos".

Purra, ministra das Finanças da Finlândia, lidera um dos quatro partidos que compõem o governo de coligação chefiado pelo primeiro-ministro Petteri Orpo, do Partido da Coligação Nacional.

Nos últimos dias, os meios de comunicação social finlandeses e os utilizadores das redes sociais têm comparado pormenores da vida de Riikka Purra, incluindo a sua educação, onde viveu, profissão, idade, profissão do marido, estudos, comidas favoritas e horários de viagens com uma mulher chamada "riikka", que publicou os comentários sobretudo em 2008.

"Saudações de Barcelona", escreveu “riikka", no mesmo dia de agosto em que Riikka Purra também se encontrava em Barcelona para participar numa conferência sobre multiculturalismo.

"Aqui não há nenhum 'problema alarmante de imigração'. Os negros vendem Vuittons falsas em Las Ramblas", escreveu no blogue.

"Hoje, no rés-do-chão do McDonald's, houve outra vez um episódio de racismo civil maravilhoso, quando o nosso filho comeu os nuggets do Happy Meal e, na mesa ao lado, uma família somali com IMC [índice de massa corporal] +30 comeu os seus", escreveu 'riikka' em junho de 2008.

"Bem, este é o som que estas personagens masculinas mais sombrias fazem quando se aproximam/passam/na escada rolante/elevador/onde quer que seja. Não é um assobio (isso seria demasiado óbvio), mas um assobio de m**** entre os dentes - quanto mais ansioso está Abdullah, mais saliva sai com ele."

"Netsit", escreveu 'riikka' em julho de 2008, uma alcunha para os internautas anti-imigração que é também uma brincadeira com a palavra finlandesa para nazis.

"Alguém está disposto a cuspir em mendigos e a bater em crianças neg**s hoje em Helsínquia?", perguntou.

"Estou tão cheia de ódio e de raiva pura que estou quase a derreter na minha cadeira. Mas que raio estás a fazer à minha psique, Islão?", escreveu 'riikka' em janeiro de 2008.

E setembro de 2008, 'riikka' escreveu: "Se me dessem uma arma, haveria cadáveres até no comboio."

AFP
Líderes dos quatro partidos que integram o novo governo de coligação finlandês chegam à Casa dos Estados, Helsínquia, 16 Junho 2023AFP

Qual foi a reação na Finlândia?

Riikka Purra não confirmou nem negou que tenha escrito estes comentários específicos, embora tenha admitido que escreveu coisas no passado que não escreveria hoje.

"O meu texto de raiva é apenas um texto de raiva, nada mais. Não aceito e nunca aceitei qualquer tipo de violência", escreveu Purra no Twitter na segunda-feira.

Disse sentir-se "frustrada e sem esperança" em relação à imigração na Finlândia, "por exemplo, o assédio e os crimes sexuais contra as mulheres e as práticas desiguais do Islão.”

Purra pediu para ser julgada não por qualquer coisa que possa ter escrito no passado, mas pelas suas ações como deputada eleita, líder partidária e ministra do governo.

A natureza contrita dos comentários de Purra pode ser suficiente para apaziguar o primeiro-ministro Orpo, que conta com o Partido Finlandês para se manter no poder.

Mas é mais um capítulo embaraçoso para um governo que ainda não tem um mês de existência e que surge na mesma semana em que o primeiro-ministro quer mostrar boa liderança e quando o Presidente dos EUA, Joe Biden, faz uma breve visita a Helsínquia para conversações.

PUBLICIDADE

Os opositores políticos não hesitaram em condenar os comentários no blogue.

"A ministra das Finanças, Riikka Purra, tem conteúdos não só racistas mas também violentos na mesma plataforma. Sem arrependimentos, sem demissão", disse Maria Ohisalo, ex-líder do Partido Verde e ministra do Interior do último governo.

Também criticou as palavras do próprio primeiro-ministro Orpo quando ele disse que deve haver "tolerância zero" para ministros que flertam com o extremismo, o nazismo ou o anti-semitismo.

O eurodeputado finlandês Ville Niinistö (Grupo dos Verdes/Aliança Livre Europeia) escreveu que "a repetição de políticas e linguagem racistas diz muito sobre o mundo de valores de uma pessoa."

"O pensamento de 'Rikka' não é adequado para o ministro das finanças finlandês".

PUBLICIDADE

Até o próprio Partido da Coligação Nacional de Orpo foi alvo de críticas, com o conselheiro de Helsínquia Otto Meri a escrever que os antigos posts do blogue de 'riikka' "são muito chocantes."

"Idolatrar a violência não é saudável. E considero o uso da palavra "n" não só inapropriado como também racista."

Qual é o contexto deste último incidente?

Tem havido um maior escrutínio das atividades, simpatias e publicações dos políticos do Partido Finlandês, especialmente dos que estão no governo, desde que a Euronews noticiou o caso do antigo ministro dos assuntos económicos que fez piadas sobre "Heil Hitler" e publicou imagens de suásticas nas suas redes sociais.

Embora o ministro, Vilhelm Junnila, tenha sobrevivido a um voto de confiança no parlamento, foi forçado a demitir-se depois de se ter descoberto que tinha apelado a abortos em massa de mulheres africanas para fazer face à crise climática.

Junnila foi substituído por outro político com um historial recente problemático.

PUBLICIDADE

Wille Rydman foi membro do Partido da Coligação Nacional do primeiro-ministro Orpo até ao ano passado, quando uma investigação jornalística revelou queixas de raparigas adolescentes sobre as suas interações com elas.

A polícia finlandesa recusou-se a acusar Rydman de violação, mas na primavera deste ano mudou de partido e candidatou-se às eleições pelo Partido Finlandês.

Desde a sua nomeação como ministro dos Assuntos Económicos, soube-se que a polícia está agora a investigar se Rydman utilizou informações confidenciais da investigação num livro que publicou no início deste ano, o que poderia constituir uma violação da confidencialidade.

De qualquer forma, a nomeação de Rydman foi vista como uma bofetada na cara de Orpo, que meses antes tinha condenado o comportamento de Rydman em relação às mulheres, especialmente às jovens, e que agora tem de se sentar ao seu lado nas reuniões de gabinete.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Zelenskyy nega que a Ucrânia tenha atacado o Kremlin

Rússia pode rever águas territoriais no Báltico

Partido dos Finlandeses expulsa deputado por alegado envolvimento num tiroteio