Vestígios de explosivos encontrados em iate no âmbito da investigação de sabotagem do Nord Stream

ARQUIVO - Nesta imagem fornecida pela Guarda Costeira sueca, vê-se uma fuga do Nord Stream 2, a 28 de setembro de 2022.
ARQUIVO - Nesta imagem fornecida pela Guarda Costeira sueca, vê-se uma fuga do Nord Stream 2, a 28 de setembro de 2022. Direitos de autor AP/AP
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O mistério continua a pairar sobre quem esteve por detrás da explosão, que destruiu um gasoduto vital entre a Rússia e a Europa.

PUBLICIDADE

De acordo com diplomatas europeus, encontraram-se vestígios de explosivos em amostras recolhidas de um iate no âmbito de uma investigação sobre a sabotagem dos gasodutos Nord Stream no ano passado.

Os investigadores alemães que averiguam o ataque de 26 de setembro afirmaram que "foram encontrados vestígios de explosivos submarinos nas amostras recolhidas do barco" na terça-feira.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Dinamarca publicou na rede social Twitter uma carta enviada nesse dia pelos embaixadores da Alemanha, da Suécia e da Dinamarca ao presidente do Conselho de Segurança da ONU com informações sobre as suas atividades até ao momento.

Uma secção da carta que detalhava as descobertas da Alemanha dizia que a rota exata do iate à vela ainda não tinha sido definitivamente estabelecida.

A investigação também ainda não determinou quem foram os autores e se houve envolvimento de um Estado.

Em março, as autoridades mostraram-se cautelosas em relação às notícias dos meios de comunicação social de que um grupo pró-Ucrânia estaria envolvido na sabotagem.

Os meios de comunicação alemães noticiaram então que cinco homens e uma mulher utilizaram um iate alugado por uma empresa ucraniana na Polónia para levar a cabo o ataque, que partiu do porto alemão de Rostock.

Os procuradores federais alemães recusaram-se a comentar diretamente esta alegação, mas confirmaram que um barco foi revistado em janeiro, suspeitando-se que poderia ter sido utilizado para transportar os engenhos explosivos que foram utilizados para fazer explodir os gasodutos.

"Nesta altura, não é possível determinar com segurança a identidade dos autores e os seus motivos, em particular no que se refere à questão de saber se o incidente foi dirigido por um Estado ou por um ator estatal", refere a carta.

As explosões submarinas provocaram a rutura do gasoduto Nord Stream 1, que até ao corte do abastecimento pela Rússia, no final de agosto, era a principal via de abastecimento da Alemanha.

A suspeita de sabotagem também danificou o gasoduto Nord Stream 2, que nunca entrou em funcionamento porque a Alemanha suspendeu o processo de certificação pouco antes de a Rússia invadir a Ucrânia, em fevereiro de 2022.

A União Europeia começou por classificar o ato como "deliberado", acusando Moscovo de manipular o fornecimento de gás em retaliação às sanções ocidentais.

"Qualquer perturbação deliberada das infraestruturas energéticas europeias ativas é inaceitável [e] conduzirá à resposta mais enérgica possível", declarou a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, no rescaldo da explosão.

Os gasodutos foram durante muito tempo alvo de críticas por parte dos EUA e de alguns dos seus aliados, que alertaram para o facto de representarem um risco para a segurança energética da Europa ao aumentarem a dependência do gás russo.

O Presidente russo, Vladimir Putin, e as autoridades russas acusaram os EUA de encenar as explosões dos gasodutos, que descreveram como um ataque terrorista.

A Ucrânia rejeitou as alegações de que poderia ter ordenado o ataque.

Os países que estão a investigar as explosões não comentaram os possíveis responsáveis.

"Todas as informações que permitam esclarecer o assunto serão procuradas durante as investigações em curso", diz a carta conjunta.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia declara correspondente da BBC de “agente estrangeiro”

Como a ucraniana Valeriia, de 17 anos, escapou a um campo de reeducação russo

Moldova denuncia esforços da Rússia para influenciar referendo sobre UE