Puigdemont pode ser a solução para um novo Governo de Espanha

Espanha num impasse
Espanha num impasse Direitos de autor AP Photo/Bernat Armangue
De  Cristina Giner
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Pedro Sánchez precisa dos sete lugares do Juntos pela Catalunha para alcançar a maioria e formar governo. Sem um acordo, Espanha terá de avançar para novas eleições.

PUBLICIDADE

As eleições deste domingo deixaram Espanha num impasse. Sem lugares suficientes à esquerda ou à direita para governar, todos os olhos estão postos nos partidos pró-independência da Catalunha.

Depois de anos com pouca influência na política espanhola, o Juntos pela Catalunha (Junts) de Carles Puigdemont tem agora a chave para a formação de um governo. Mas para garantir o apoio a Pedro Sanchez, o partido tem exigências que não surpreendem.

Josep Rius, porta-voz do Juntos pela Catalunha, disse à Euronews que o partido tem uma proposta clara, do exercício do direito à autodeterminação e à amnistia. “Uma amnistia que não foi resolvida com alguns perdões concedidos pelo governo”, sublinhou Rius.

Pedro Sánchez precisa dos 7 lugares do partido pró-independência para alcançar a maioria e formar governo. Sem um acordo, Espanha terá de avançar para novas eleições. Mas as negociações não serão fáceis.

Marc Guinjoan, analista político, lembra que “o PSOE tem dito, ativa e passivamente, que a unidade de Espanha não é algo que não possa ser posto em causa”. Para Guinjoan, “parece difícil para o PSOE negociar nestes termos” e para o Junts “formar ou forçar uma coligação com o PSOE e o Sumar”.

A justiça espanhola pediu ontem a reativação do mandado de captura internacional de Carles Puigdemont, que fugiu para Bruxelas após o referendo ilegal de 2017. A decisão cria mais incerteza sobre possíveis negociações.

O prazo para a constituição do Congresso dos Deputados termina a 17 de agosto, dia que marca o início da nova legislatura. Em Espanha, não existe um prazo legal específico para a investidura do Presidente e, por isso, as negociações poderão demorar semanas".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Socialista Francina Armengol eleita presidente do Congresso espanhol

Os cenários possíveis após as legislativas em Espanha

Carles Puigdemont planeia candidatura à presidência da Catalunha