EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Forças russas redirecionam mantimentos e pessoal

Militares combatem na linha da frente.
Militares combatem na linha da frente. Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Instituto para o Estudo da Guerra refere que as forças russas e os administradores da ocupação continuam a procurar mitigar o impacto dos ataques ucranianos recentes.

PUBLICIDADE

As forças ucranianas continuaram as operações de contraofensiva em pelo menos dois setores da linha frente: no sul, na região oeste de Donetsk-leste da região de Zaporíjia, e na região oeste de Zaporíjia, na direção de Melitopol.

A porta-voz do Comando Operacional do Sul da Ucrânia, Nataliya Humenyuk, sublinhou que os ataques ucranianos nas pontes de Chonhar e Henichesk tiveram como objetivo visar os planos e estratégias russas e inibir a capacidade das forças russas de trazer mantimentos e pessoal para a linha da frente.

O Instituto para o Estudo da Guerra refere que as forças russas e os administradores da ocupação continuam a procurar mitigar o impacto dos ataques ucranianos recentes nos nós logísticos ao longo das principais linhas terrestres de comunicação russas que conectam a Crimeia ocupada com a região de Kherson.

Humenyuk também enfatizou que as forças russas devem agora encaminhar mantimentos e pessoal através de Armyansk, diretamente na fronteira entre Kherson e a Crimeia e dentro de 80 quilómetros da linha de frente.

O chefe da ocupação da região de Kherson nomeado por Moscovo, Vladimir Saldo,  informou que a administração mudou temporariamente a logística e as rotas de travessia de veículos entre Kherson e a Crimeia devido a danos na ponte Chonhar, incluindo a suspensão do tráfego de autocarros entre Simferopol, na Crimeia, e Henichesk, na região de Kherson.

O Instituto para o Estudo da Guerra acrescenta que os milbloggers russos não comentaram o rescaldo dos ataques de 7 de agosto, apoiando ainda mais a avaliação anterior do think tank de que as autoridades russas podem ter instruído correspondentes russos a não comentar ataques ucranianos em nós logísticos russos na Crimeia para evitar gerar o pânico no espaço informativo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ataque russo com mísseis faz seis mortos em subúrbio de Kharkiv

Guerra na Ucrânia: dez mil pessoas obrigadas a abandonar Kharkiv

Putin diz que não quer tomar cidade de Kharkiv