Putin envia condolências pela morte de Prigozhin

Escombros do avião em que alegadamente seguia o líder do grupo de mercenários Wagner, Yevgeny Prigozhin
Escombros do avião em que alegadamente seguia o líder do grupo de mercenários Wagner, Yevgeny Prigozhin Direitos de autor AP/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Rússia diz estar a investigar as circunstâncias da queda do avião em que seguia o líder do grupo privado militar Wagner.

PUBLICIDADE

Vladimir Putin já reagiu à morte do líder do grupo privado militar Wagner e outras altas figuras da organização, num desastre de avião na quarta-feira. O presidente russo enviou uma mensagem de condolências à família de Yevgeny Prigozhin em que diz que o controverso líder militar, que em junho protagonizou uma revolta contra o Kremlin, era "um homem talentoso que cometeu alguns erros". As autoridades russas dizem que está em curso uma investigação sobre o acidente.

A agência russa de transporte aéreo, Rossaviatsia, confirmou que Yevgeny Prigozhin estava a bordo do avião, num voo de Moscovo para São Petersburgo que caiu na noite de quarta-feira, na região de Tver.

Prigozhin era um homem talentoso que cometeu alguns erros.
Vladimir Putin
Presidente da Rússia

Nenhum dos sete passageiros e três tripulantes sobreviveu, mas as autoridades ainda não anunciaram formalmente a morte do líder do Wagner, uma vez que os corpos não foram identificados.

Os supostos mortos também incluem o braço direito de Prigozhin, Dmitri Utkin, um misterioso ex-oficial da inteligência militar russa e comandante operacional do Wagner. Outro nome é Valéri Tchekalov, que os media russos apresentam como gerente da logística do grupo.

O professor da Universidade Livre de Riga, Dmitry Oreshkin, comenta: “Esta é uma ação demonstrativa. Afinal, Prigozhin poderia ter sido envenenado discretamente e teria morrido de ataque cardíaco, como muitos oponentes anteriores de Putin ou dos seus generais. Mas há vários fatores em jogo aqui. Em primeiro lugar, é claro que não basta retirar uma pessoa, é preciso retirar as pessoas em torno dele, pois provavelmente elas tinham um plano B, de como agir em caso de perda do chefe e esse plano, provavelmente, não era útil para Vladimir Putin. Portanto, o ideal é eliminá-los todos juntos, o que, de fato, aconteceu.”

A "pista mais óbvia"

Nas redes sociais, contas próximas do Wagner já sugeriam na noite de quarta-feira que um míssil terra-ar tinha sido disparado para explicar a tragédia, alimentando especulações de que ele teria sido assassinado.

Durante a revolta armada de 24 horas, Vladimir Putin teve dificuldade em esconder a sua raiva, acusando Prigozhin de "traição".

Embora algumas pessoas online sugiram que o líder mercenário encenou o seu desaparecimento, Margarita Simonian, a responsável da RT, um dos meios de comunicação estatais, e uma firme apoiante de Putin, não acredita nisso.

“Pessoalmente, estou inclinada para a pista mais óbvia”, escreveu ela no X, o antigo Twitter.

Durante a noite, algumas pessoas reuniram-se em frente à sede do Wagner, em São Petersburgo, colocando cravos vermelhos, velas, caveiras e ossos cruzados em frente ao prédio.

Inimigo público desde junho

De 23 para 24 de junho, Yevgeny Prigozhin liderou uma rebelião contra o Estado-Maior russo e o ministro da Defesa, Sergei Shoigu, marchando sobre Moscou, tomando um quartel-general militar e abatendo aviões do exército russo.

O motim foi abandonado após mediação do presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko.

O acordo previa que Prigozhin se exilasse na Bielorrússia, juntamente com os homens que desejassem segui-lo, e que todas as acusações fossem retiradas, mas o chefe do Grupo Wagner continuou a ir à Rússia e até ao Kremlin.

Na noite de segunda-feira tinha surgido num vídeo em que afirmava estar em África para “tornar a Rússia ainda maior”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Líder do grupo Wagner reaparece em vídeo em África

Kremlin confirma encontro entre Putin e chefe do grupo Wagner

Advogados de Navalny em prisão preventiva até março de 2024