EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Campanha "Nus para o esforço de guerra" apoia projeto de legalização da pornografia na Ucrânia

Mulher usa uma grinalda de flores em frente a tanques russos capturados, expostos no centro de Khreshchatyk, em Kiev, na Ucrânia. 24 de agosto de 2023
Mulher usa uma grinalda de flores em frente a tanques russos capturados, expostos no centro de Khreshchatyk, em Kiev, na Ucrânia. 24 de agosto de 2023 Direitos de autor Efrem Lukatsky/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Efrem Lukatsky/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Una Hajdari
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O que começou por ser uma iniciativa de angariação de fundos para o esforço de guerra na Ucrânia, já rendeu cerca de 800.000 euros em donativos. Agora, a TerOnlyFans quer que os legisladores ucranianos despenalizem a pornografia no país.

PUBLICIDADE

A invasão em curso na Ucrânia levou pessoas de todo o mundo a tentar mobilizar ajuda para o país que está a lutar contra o implacável ataque russo - de todas as formas possíveis.

Para Nastassia Nasko, uma bielorrussa de 25 anos, com formação em TI e marketing, foi inicialmente difícil materializar o apoio para além dos gostos e retweets no X, anteriormente conhecido como Twitter.

"Quando começou a invasão em grande escala, estávamos em Varsóvia e foi difícil aceitar o facto de não estarmos na Ucrânia e não podermos ajudar ou fazer voluntariado, além de não termos muito dinheiro para enviar para os defensores ucranianos", disse à Euronews.

A jovem e a sua amiga Anastasia Kuchmenko, de 28 anos, licenciada em artes, tentaram ajudar as pessoas que fugiam dos ataques e do avanço do exército russo, que caracterizaram os primeiros dias da invasão em grande escala.

"Tentei encontrar um carro para uma pessoa que tinha conhecido no Twitter e que estava a tentar desesperadamente fugir de Kharkiv. Publiquei o caso no Twitter e tentei encontrar alguém que nos ajudasse. Houve muitos likes e retweets, mas ninguém nos conseguiu ajudar", explicou.

"Depois, em jeito de brincadeira, disse que enviaria à pessoa que me ajudou a arranjar o carro uma fotografia nua se nos ajudasse a encontrar um carro. Cinco minutos depois, o carro foi encontrado", continuou Nasko.

As duas aperceberam-se que podiam utilizar o que continua a ser um fascínio ocidental significativo pelas mulheres ucranianas, frequentemente considerado um dos estereótipos mais difundidos associados ao país.

Lançaram a TerOnlyFans, abreviatura de "Territorial Defence OnlyFans". A plataforma coopera com várias instituições de caridade ucranianas e exige que as pessoas enviem um comprovativo de doação a uma causa antes de lhes enviarem nus de bom gosto.

"Era importante para nós lançar o TerOnlyFans a 8 de março, porque queríamos sublinhar que o projeto visa promover o direito das mulheres a decidirem independentemente fazer o que quiserem com o seu corpo", sublinhou Nasko.

Kateryna Klochko/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Unidades da brigada de defesa territorial participam em exercícios militares, num campo de treino na região de Zaporíjia, na Ucrânia. 14 de março de 2023Kateryna Klochko/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.

Uma sociedade de mente aberta sufocada pela guerra

Apesar de o interesse pela Ucrânia, incluindo a sua cultura e identidade, ter aumentado consideravelmente desde a invasão total em 2022, as pessoas que nunca estiveram no país não assumem que este oferece ricas oportunidades artísticas e de entretenimento.

Kiev é muitas vezes referida como "a Berlim do Leste", onde os jovens vestem roupas criadas por uma grande variedade de designers locais, ostentam tatuagens proeminentes e intrincadas e frequentam os muitos cafés, bares e discotecas da capital.

"A maior parte das pessoas pensa que a Ucrânia é um país pós-soviético pobre, escuro e sujo, mas, na verdade, a sociedade ucraniana desenvolveu-se muito desde a independência e tornou-se verdadeiramente progressista nos últimos 15 anos. As pessoas querem fazer parte da Europa e querem pensar como os europeus", explicou Nasko.

É por isso que o TerOnlyFans não provocou as reacções negativas que poderiam ocorrer em sociedades mais tradicionais.

"Recebemos críticas negativas geralmente de russos, o que era de esperar. A maioria das pessoas apoiou o facto de estarmos a ajudar o esforço de defesa na Ucrânia", continuou.

Efrem Lukatsky/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Uma grande coluna de tanques russos capturados em exibição na avenida central de Khreshchatyk, em Kiev, Ucrânia. 24 agosto 2023Efrem Lukatsky/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.

Descriminalização da pornografia

No início deste mês, Yaroslav Zheleznyak, membro do Verkhovna Rada ucraniano, do partido Holos, patrocinou um projeto de lei que descriminaliza os conteúdos pornográficos.

Considera-se que a atual lei foi herdada da União Soviética, onde a proibição da produção e distribuição de material pornográfico fazia parte da censura visual exercida pelo regime.

A lei de 2004 "Sobre a Proteção da Moralidade Pública" definiu a pornografia como "atos sexuais vulgares, cínicos, indecentes (...) que não satisfazem os critérios morais, ofendem a honra e a dignidade de uma pessoa, incitando a instintos indignos".

Até 2015, existia uma comissão que procurava este tipo de conteúdos na Internet ou em livros e filmes. A lei da moralidade pública expirou entretanto e, atualmente, não existe uma definição legalmente aceite do que é pornografia no código penal do país.

PUBLICIDADE

"Penso que muitas pessoas na Verkhovna Rada apoiam a despenalização da pornografia. Ao contrário da Duma russa, onde existem muitas pessoas velhas, conservadoras e tradicionais, atualmente existem muitos políticos jovens e progressistas na Rada e, em cada ronda eleitoral, há mais", afirmou Nasko.

A despenalização e formalização da produção de conteúdos para adultos também evitaria que os profissionais do setor fossem sujeitos a subornos ou abusos por parte da polícia. Segundo a imprensa ucraniana, alguns agentes da polícia tentaram obter favores sexuais em troca de não mandarem alguém para a prisão ou de o obrigarem a pagar uma multa.

"Sei de muitas ocasiões em que raparigas jovens foram presas e tiveram de pagar multas por coisas benignas", explicou Nasko.

O projeto de lei de Zheleznyak propõe uma nova definição de pornografia desprovida de qualquer classificação moral, protegendo também a produção de material pornográfico filmado sem o consentimento das pessoas nele representadas, a venda de pornografia a menores e a pornografia infantil, e mantendo a proibição de pornografia extrema, como a necrofilia ou a zoofilia.

A Ucrânia ocupa o 15.º lugar em termos de tráfego do PornHub em 2022. A participação maioritária no OnlyFans pertence agora a Leonid Radvinsky, um empresário ucraniano-americano.

PUBLICIDADE

OnlyFans gerou cerca de 1 milhão de euros em receitas fiscais para a Ucrânia só no primeiro semestre de 2023, de acordo com Zheleznyak.

Uma petição em linha que lançou para sondar o interesse público na descriminalização oficial da pornografia reuniu cerca de 25 000 assinaturas em dois meses.

Os TerOnlyFans disseram no seu canal Telegram que também estão a participar nas consultas para a elaboração do novo projeto de lei sobre conteúdos pornográficos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ataque aéreo a Kharkiv faz pelo menos sete mortos. Zelenskyy condena brutalidade russa

Ataque russo com mísseis faz seis mortos em subúrbio de Kharkiv

Civis eslovacos já doaram mais de 4 milhões de euros à Ucrânia para aquisição de munições