EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Rússia bombardeia leste da Ucrânia

A cidade de Kryvyi Rih, onde nasceu Volodymyr Zelenskyy, foi fortemente atacada esta sexta-feira
A cidade de Kryvyi Rih, onde nasceu Volodymyr Zelenskyy, foi fortemente atacada esta sexta-feira Direitos de autor AP/Ukrainian Emergency Service via AP
Direitos de autor AP/Ukrainian Emergency Service via AP
De  Teresa Bizarro com agências
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Dezenas ataques deixam um rasto de feridos e regiões cada vez mais isoladas

PUBLICIDADE

As miras russas estiveram apontadas esta sexta-feira ao leste da Ucrânia. Ataques russos que fizeram vários feridos, como este homem que foi retirado dos escombros pelos serviços de resgate ucranianos em Sumy. A cidade está a ser bombardeada desde quinta-feira à noite e, de acordo com as autoridades ucranianas, os ataques atingiram várias zona residenciais.

Outro bombardeamento aéreo russo atingiu um edifício da polícia em Kryvyi Rih - a cidade onde nasceu o presidente ucraniano. Um polícia morreu e mais de 40 pessoas ficaram feridas.

Para lá da central nuclear de Zaporíjia

Uma das principais frentes de combate continua a ser Zaporíjia. Ali, a vida quotidiana dos cidadãos mistura-se com os bombardeamentos.

"No ano passado, o fogo era frequente. Assim que amanhecia, era preciso fugir do quintal, porque os voos eram assustadores," contam Olha Yehorova e Raisa Buriak, residentes em Uspenivka.  Quiseram ficar para não deixar os animais para trás: "Temos uma vaca, galinhas, patos".

Na aldeia de Pryvilne, vivem apenas três famílias. Estão, como a maior parte da região, sem eletricidade, água ou gás.

"Eu bebo água da chuva. Fervo-a e bebo-a," explica Halyna Zhovner, sublinhando que, sem rede pública a funcionar, é a única forma de garantir água para sobreviver. Das autoridades locais recebeu um painel para captar enercia e uma lanterna, que veio substituir as lanternas de querosene usadas antigamente quando falhava a eletricididade.

Os habitantes das aldeias de Zaporíjia, dizem que mais de metade da população abandonou a zona desde o início da guerra. Alguns começam agora a regressar para recuperar recuperar os meios de subsistência.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ataques em Zaporíjia: "Estamos perigosamente perto de um acidente nuclear"

Kremlin diz que ataque à central nuclear de Zaporíjia é "provocação perigosa" da Ucrânia

Rússia diz que Ucrânia atingiu central de Zaporíjia. Kiev nega, ONU critica ataque imprudente