EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Itália abre centro para migrantes de países "seguros"

O novo centro para migrantes situa-se em Pozallo, na Sicília.
O novo centro para migrantes situa-se em Pozallo, na Sicília. Direitos de autor Cecilia Fabiano/LaPresse
Direitos de autor Cecilia Fabiano/LaPresse
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Objetivos do novo centro são acelerar o processo de concessão de asilo e aliviar o "hotspot" de Lampedusa.

PUBLICIDADE

A Itália tem agora um centro de retenção para requerentes de asilo exclusivamente dedicado àqueles que vêm de países considerados "seguros", ou seja, que não podem pedir o estatuto de refugiados. O governo italiano abriu este centro na cidade portuária de Pozallo, na Sicília, e espera que possa ajudar a acelerar os processos de concessão de asilo.

O principal objetivo deste novo centro é aliviar o hotspot de Lampedusa, que se encontra muitas vezes esgotado muito para lá da capacidade. Foi o que aconteceu na semana passada, quando a pequena ilha viu a população duplicar devido a uma vaga de migrantes que chegou em poucos dias. O hotspot chegou a ter sete mil pessoas. A maior parte destes requerentes de asilo foram, entretanto, transferidos para outras zonas de Itália.

O governo de Giorgia Meloni tem vindo a implementar várias medidas para reduzir o número de migrantes e aliviar a pressão migratória, nomeadamente em Lampedusa.

Recentemente, introduziu uma caução de quase cinco mil euros para os migrantes dos países considerados seguros não terem de ingressar nos centros de acolhimento. O governo está também a implementar medidas contra os adultos que se tentam fazer passar por menores não acompanhados, para poderem ter proteção do Estado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Dúvidas sobre eficácia de plano da UE para crise dos migrantes em Lampedusa

Lampedusa transfere migrantes para evitar colapso

A pizza napolitana já tem três séculos e quem a faz diz que é a melhor