EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Revolução do Papa Francisco vai dar voz e voto às mulheres no Sínodo

Papa Francisco
Papa Francisco Direitos de autor Riccardo De Luca/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Riccardo De Luca/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Luis GuitaEuronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Sínodo dos Bispos é um órgão consultivo que pede aos bispos de todo o mundo que participem no governo da Igreja, aconselhando o Papa em assuntos de interesse para a Igreja. As mulheres vão participar nos debates e vão votar no documento final, algo até agora reservado aos prelados.

PUBLICIDADE

É anunciada como uma revolução silenciosa orquestrada internamente pelo Papa Francisco. O Sínodo, ou assembleia deliberativa da Igreja Católica, que começa esta quarta-feira no Vaticano quebra os moldes da tradição ao dar voz e voto às mulheres, um setor da Igreja historicamente relegado para segundo plano e que espera muito da nomeação.

“Existem 700 milhões de mulheres católicas em todo o mundo. E então é hora de a Igreja realmente ouvi-las. E o que ouvimos ao longo do processo sinodal é que eles querem servir a Igreja. As mulheres querem ser iguais," considera a Diretora Executiva da Conferência de Ordenação de Mulheres, Kate McElwee.

Apenas 54 mulheres das 464 participantes no Sínodo terão direito de voto, mas trazem reivindicações de todo o planeta.

“Elas querem ter melhores posições de liderança, querem que as suas vozes sejam ouvidas, não apenas na tomada de decisões, mas também durante o processo que levam à tomada de decisões, as mulheres querem fazer parte disso," explica a Secretária da Comissão de Informações do Sínodo dos Bispos, Sheila Pires.

As mulheres vão participar nos debates e vão votar no documento final, algo até agora reservado aos prelados. Diz-se que alguns não gostaram desta abertura.

“É preciso tanto uma mudança de cultura, de mentalidade, é uma questão de atitude, de educação e não é fácil,” revela a Subsecretária do Sínodo sobre Sinodalidade, Irmã Nathalie Becquart.

Por decisão do Papa, participarão também representantes leigos de diversos setores da sociedade. Um jesuíta próximo da comunidade LGBT e um ativista de uma ONG que resgata migrantes no Mediterrâneo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Papa Francisco cancela presença na COP28 por razões de saúde

Igreja dividida em questões fraturantes no arranque de Sínodo dos Bispos

Vestidos de vermelho e branco, milhares de brasileiros celebram o Dia de São Jorge