EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Parlamento Europeu aprova resolução contra o Azerbaijão e pede sanções contra Baku

Tropas do Azerbaijão em Nagorno-Karabakh
Tropas do Azerbaijão em Nagorno-Karabakh Direitos de autor Aziz Karimov/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Aziz Karimov/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Maria Barradas com Agências
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os deputados europeus aprovaram uma resolução que acusa o Azerbaijão de realizar “limpeza étnica” contra os residentes arménios de Nagorno-Karabakh e instam o bloco a impor sanções a Baku.

PUBLICIDADE

Segundo a resolução - aprovada por 491 votos a favor e nove contra - o Parlamento Europeu “considera que a situação atual equivale a uma limpeza étnica e condena veementemente as ameaças e a violência cometidas pelas tropas do Azerbaijão”.

Os deputados apelaram aos 27 estados membros da UE para "adotarem sanções específicas contra indivíduos do governo do Azerbaijão "devido ao ataque e alegadas violações dos direitos humanos em Nagorno-Karabakh" e instam o bloco a "reduzir a dependência da UE em relação às exportações de gás do Azerbaijão" e a rever as suas relações com o país.

UE reforçou importações de gás do Azerbaijão

Diplomatas europeus dizem que as sanções contra o Azerbaijão não estão em cima da mesa neste momento e que provavelmente só serão tomadas medidas se a situação piorar.

A UE intensificou as suas importações de gás natural do Azerbaijão à medida que o bloco se afastou da Rússia desde a invasão da Ucrânia por Moscovo.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, assinou um acordo de “parceria estratégica” com Baku no ano passado, com o objetivo de mais do que duplicar as importações de gás até 2027.

A resolução não obriga a UE a agir, mas vai enfurecer Baku, que negou veementemente as acusações de limpeza étnica e apelou publicamente aos arménios étnicos para permanecerem e se "reintegrarem" no Azerbaijão.

Após uma ofensiva de 24 horas por parte das forças do Azerbaijão em setembro, a autoproclamada república de Nagorno-Karabakh anunciou que seria dissolvida em 1 de Janeiro de 2024, mas as forças de Baku já estão no comando da região.

As autoridades do Azerbaijão prenderam vários ex-líderes separatistas de Karabakh na terça-feira. A onda de detenções ocorre num momento em que as autoridades do Azerbaijão se movem rapidamente para estabelecer o seu controlo.

Embora Baku tenha prometido respeitar os direitos dos arménios étnicos, a maioria deles (mais de 120 mil) fugiu da região, temendo represálias após três décadas de regime separatista.

O que é o Nagorno Karabakh?

Desde a queda do Império Russo, esta região montanhosa, povoada principalmente por arménios que a consideram parte da sua terra ancestral, faz parte do Azerbaijão.

O território proclamou unilateralmente a sua independência, com o apoio da Arménia, quando a União Soviética entrou em colapso, em 1991.

Os separatistas de Nagorno-Karabakh resistiram a Baku com o apoio de Erevan durante três décadas, nomeadamente durante a primeira guerra de Karabakh, de 1988 a 1994, e a segunda, em 2020.

Numa campanha de 24 horas que começou em 19 de setembro, o exército do Azerbaijão derrotou as forças arménias da região, desguarnecidas e desarmadas, forçando-as a capitular. 

A ONU enviou na semana passada uma missão para o território.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Missão da ONU chega ao Nagorno-Karabakh "demasiado tarde"

Arménia: pelo menos 4 mortos em inundações

Arménios pedem renúncia de Pashinian por causa do “conflito entre povos fronteiriços”