EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Bettel celebra mas pode ter de entregar governo do Luxemburgo a Luc Frieden

Xavier Bettel (DP) pode ter de ceder liderança do governo a Luc Frieden (CSV)
Xavier Bettel (DP) pode ter de ceder liderança do governo a Luc Frieden (CSV) Direitos de autor AP Photo/Darko Vojinovic//Geert Vanden Wijngaert
Direitos de autor AP Photo/Darko Vojinovic//Geert Vanden Wijngaert
De  Francisco Marques
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Quase 88% do eleitorado do Luxemburgo passou pelas urnas e baralhou as contas para a formação de um novo governo no meio de uma crise da habitação

PUBLICIDADE

Vitória amarga do liberal Xavier Bettel nas Legislativas deste domingo no Luxemburgo. O chefe do Governo celebrou o reforço da presença no Parlamento do Partido Democrático (DP, na sigla original), mas perde a maioria da coligação tripartida devido à queda acentuada dos Verdes ("déi Gréng").

Com 88% por cento de participação e a totalidade dos votos recolhida, o partido no governo conseguiu aumentar os assentos no Parlamento de 12 para 14, mas a coligação que lhe garantia a maioria dos 60 deputados fica agora a dois lugares do poder, no mio de uma crise de habitação no Grão-Ducado, um dos países mais pequenos da União Europeia e onde reside uma das maiores diásporas portuguesas.

O partido ecologista perdeu cinco lugares, guarda apenas quatro deputados e foi até ultrapassado pela direita populista. O Partido Reformista da Alternativa Democrática (ADR) ganhou mais um deputado em relação a 2019 e chega aos cinco.

O Partido Popular Social Cristão (CSV), de centro-direita, que liderava a oposição, mantém-se como o preferido do eleitorado, segurando os 21 representantes conseguidos há quatro anos e reclamam o mandato para voltarem a liderar 10 anos depois o governo.

Os sociais-cristãos terão, no entanto, de encontrar apoios e em cima da mesa pode estar inclusive uma aliança com o DP, do ainda primeiro-ministro Xavier Bettel, ou, quem sabe, com o Partido Operário Socialista (LSAP), de centro-esquerda, que integra a coligação de governo cessante e também reforçou com mais um deputado a presença no hemiciclo.

O DP e o LSAP são os únicos com quem o CSV asseguraria a maioria do Parlamento, mas outras alianças menos improváveis são também possíveis, se conseguirem convencer, por exemplo, o Partido Pirata do Luxemburgo (3 deputados), a ARD (5) e os Verdes (4).

O objetivo de Luc Frieden, o líder dos sociais-cristãos, é formar "uma maioria forte, com um programa coerente".

De acordo com a tradição, Xavier Bettel deve apresentar esta segunda-feira a demissão ao Grão-Duque Henrique e o chefe de Estado deve ouvir os partidos para decidir a quem deve mandatar a formação de um novo governo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Conservadores croatas e a extrema-direita fazem coligação antes das eleições europeias

Chega conquista eleitorado jovem: os porquês

À quarta foi de vez: Aguiar Branco eleito presidente da Assembleia da República