EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Manifestações pró-Palestina proibidas na Europa

Polícia francesa dispersa manifestantes pró-Palestina em Paris, França
Polícia francesa dispersa manifestantes pró-Palestina em Paris, França Direitos de autor Thibault Camus/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Thibault Camus/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Várias manifestações em solidariedade com o povo palestiniano foram proibidas em França e na Alemanha. Amesterdão encerra escolas judaicas com receio de incidentes.

PUBLICIDADE

Amesterdão decidiu encerrar as escolas judaicas, esta sexta-feira, com receio de incidentes contra a comunidade religiosa, após oHamas ter apelado a protestos em todo o mundo muçulmano

Um dia antes, a cidade neerlandesa acolhia uma manifestação de apoio a Israel. Sabine Sterk esteve entre os manifestantes e lamenta estar a perder a "guerra das redes sociais".

"Acho que Israel perdeu uma guerra, que é a guerra das redes sociais, e os "palestinianos" - entre aspas para mim - ganharam a guerra das redes sociais. Agora, quase toda a gente está contra Israel. Por isso, estou muito feliz por haver aqui bastantes pessoas a apoiar Israel".

As vigílias por Israel multiplicam-se por grande parte do globo. Em Moscovo, as vítimas do Hamas foram homenageadas com flores junto à embaixada israelita na capital russa, após o presidente Vladimir Putin ter apelado à negociação entre as duas fações.

Manifestações pró-Palestina proibidas na Europa

Dois protestos pró-palestinianos em Paris foram interrompidos, também esta quinta-feira,pela polícia, após o ministro do Interior, Gérald Darmanin,ter proibido todas as manifestações favoráveis ao território muçulmano em França

Os manifestantes acabaram por dispersados com gás lacrimogéneo e canhões de água.

Na Alemanha algumas autoridades locais impediram demonstrações públicas de apoio à Palestina. 

O chanceler alemão, Olaf Scholz, anunciou, esta quinta-feira, a proibição de atividades do movimento islamita Hamas no país, na sequência da ofensiva lançada no sábado contra Israel.

Já em Genebra, pediu-se respeito pelas mesmas convenções a que a cidade deu o nome na defesa do Direito Internacional Humanitário.

Adel Mejri, vice-presidente da associação das vítimas de tortura da Tunísia e coorganizador da manifestação, apela a uma reação da ONU e das organizações internacionais, "não para defender Israel, mas para aplicar as resoluções". 

"O que estamos a pedir é simples: há resoluções, há leis, há as convenções de Genebra".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cidades europeias palco de manifestações de apoio a Israel e à Palestina

Manifestações de apoio aos palestinianos em toda a Europa

Países europeus repatriam cidadãos de Israel