EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Presidente da Polónia começa a ouvir os partidos com vista à formação do próximo governo

Eleições legislativas na Polónia, 15 de outubro de 2023
Eleições legislativas na Polónia, 15 de outubro de 2023 Direitos de autor Czarek Sokolowski/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Czarek Sokolowski/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os eleitores polacos fizeram as suas escolhas a 15 de outubro, mas pode decorrer um mês entre a eleição e a confirmação do primeiro-ministro que vai governar a Polónia.

PUBLICIDADE

Nas eleições polacas, todos declararam vitória, mas só uma maioria parlamentar pode governar e o partido Lei e Justiça, que tem governado o país, não a alcançou.

As consultas do presidente com os partidos duram dois dias. O Partido Lei e Justiça (PIS) acredita que o presidente vai dar-lhe a prioridade na formação do governo.

Um dos eleitos, Kazimierz Smolinski, afirma: (...)Temos também a questão do presidente, que se sabe ter sido apoiado pelo nosso partido, e é certo que muitas das soluções que estão a ser propostas pela oposição serão vetadas pelo presidente, e a oposição não tem o oportunidade de rejeitar o veto do presidente com uma representação tão grande como a que temos no parlamento, pelo que tudo isto deve ser tido em conta pelo presidente, e espero que depois destas conversações, ele nos confie a formação de um governo. Somos a maior formação que ganhou estas eleições, não podemos ser privados desta oportunidade de formar governo. Não direi que é fácil, mas não é impossível".

Os líderes da coligação que junta mais assentos parlamentares estão a tentar persuadir o presidente a não atribuir a formação de um governo ao partido que obteve mais votos, mas aos que constituem a maioria parlamentar...

Michal Kobosko, um deputado eleito pela Terceira Via defende:  "Haverá uma nova coligação governamental composta por estes três grupos, a Terceira Via, a Coligação Cívica e a Nova Esquerda, e esta será uma boa proposta para o povo da Polónia, uma resposta à decisão dos eleitores de 15 de outubro , que deixaram claro que queriam mudanças na Polónia e um novo governo. Também o presidente, nas suas ações, nos seus próximos passos, deveria ter em conta os desejos do povo polaco".

O cenário mais provável, é que na próxima sessão do Sejm - parlamento polaco -, por volta de 14 de novembro, o presidente Duda, por razões de simpatia política, dê prioridade à formação do governo ao Partido Lei e Justiça e nomeie o novo primeiro-ministro.

Marta Prochowicz-Jazowska do Fundo Marshall alemão dos Estados Unidos afirma: "Este primeiro-ministro muito provavelmente será o primeiro-ministro Mateusz Morawiecki. Agora, ele não poderá formar governo porque, apesar de chegar em primeiro lugar e obter o maior número de assentos, o PIS não conseguirá ter maioria. Na próxima etapa, os parlamentares deste novo parlamento poderão nomear um primeiro-ministro alternativo, que muito provavelmente será Donald Tusk, e a transferência de poder e a nomeação de um novo governo acontecerão em dezembro".

Magdalena Chodownik, a correspondente da Euronews na Polónia comenta: "Durante os dois dias de consultas com representantes de formações políticas, o presidente polaco perguntará a cada um deles se vêem alguma possibilidade de obter a maioria parlamentar. Embora para muitos a resposta pareça clara, os atuais governantes não querem perder a esperança até ao fim".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Oposição na Polónia poderá vir a formar governo de coligação progressista

Donald Tusk reclama vitória na Polónia

Nigel Farage ultrapassou pela primeira vez partido do primeiro-ministro Rishi Sunak